sábado, 12 de julho de 2014

Três vinhos brasileiros entre os 100 melhores do mundo



Meninas e meninos,
Esta repasso na íntegra, PARABÉNS Brasil Vinícola!!!!

Ranking mundial é promovido pela Associação Mundial de Jornalistas e Escritores de Vinhos e Licores, que considera desempenho em 75 concursos mundo afora.
O Brasil vitivinícola atinge sua maturidade no mundo do vinho com o reconhecimento da Associação Mundial de Jornalistas e Escritores de Vinhos e Licores (WAWWJ), que coloca três vinhos brasileiros entre os 100 melhores do mundo. A presença no World Wine Ranking muito se deve ao trabalho desenvolvido pela Associação Brasileira de Enologia (ABE), que desde 1995 organiza o envio de amostras para concursos internacionais.
A lista mais desejada do mundo posiciona o Brasil em 12º lugar no quesito qualidade, a frente de países com grande tradição vitivinícola. O ranking levou em consideração as 51.617 premiações alcançadas por vinícolas de 67 países em 75 concursos internacionais. “Esta é uma distinção altamente diferenciada, capaz de conscientizar os brasileiros a reconhecer a qualidade dos rótulos verde e amarelo, pois o preconceito e a falta de conhecimento ainda é muito grande”, destaca o presidente da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Luciano Vian, que vê nesta distinção uma grande oportunidade.
Cabe destacar que o Brasil passou a estar presente nesses concursos juntamente com Estados Unidos, Canadá, Chile e Argentina e mesmo jovem no ramo vem surpreendendo o mercado. Este amadurecimento e evolução também se comprovam na realização de grandes eventos como o Concurso do Espumante Brasileiro, a Avaliação Nacional de Vinhos e o Concurso Internacional de Vinhos, este com a chancela da Organização Mundial da Uva e do Vinho (OIV), todos promovidos pela ABE.
Para estabelecer um critério justo, as pontuações dos vinhos variam de acordo com a importância relativa do concurso e a posição de todos os vinho dentro de cada categoria. Para conhecer a lista completa por país e produtores, basta acessar o link dos rankings no http://www.wawwj.com. Além de figurar no Top 100, o Brasil também é destaque no ranking dos Vinhos do Ano, premiação esta que é conferida a todos os vinhos do mundo que atingiram uma pontuação mínima anual de 125 pontos. Neste ano, 232 amostras receberam esta distinção, entre elas quatro rótulos brasileiros.
Ranking Mundial - TOP 100 melhores do Mundo
56º colocação no Ranking Geral e  2º na Categoria Espumantes – recebeu sete premiações internacionais: Aurora Espumante Moscatel – Cooperativa Vinícola Aurora
65º colocação no Ranking Geral e 1º na Categoria Merlot  - recebeu 11 premiações internacionais: Aurora Merlot Reserva 2011  - Cooperativa Vinícola Aurora
97° colocação no Ranking Geral e 8º na Categoria Espumantes – recebeu oito premiações internacionais: Garibaldi Espumante Moscatel – Cooperativa Vinícola Garibaldi
Ranking Mundial - Vinhos do Ano
56º  - Aurora Espumante Moscatel – Cooperativa Vinícola Aurora
65º  - Aurora Merlot Reserva 2011  - Cooperativa Vinícola Aurora
97° - Garibaldi Espumante Moscatel – Cooperativa Vinícola Garibaldi
135ª - Marcus James Espumante Brut – Cooperativa Vinícola Aurora
Fonte: Lucinara Masiero
www.conceitocom.br
E NÃO SE ESQUEÇA: AGORA O BLOG É SITE NO WWW.DIVINOGUIA.COM.BR
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

domingo, 1 de junho de 2014

Este é o Brasil em que vivemos


 
 

 
 
Meninas e meninos,
Copa com obras atrasadas e superfaturadas, sem o principal que é o que realmente ficará para a população.
Telefones mudos, como os meus, e já não é a primeira vez no mês de Maio.
Fiquei sem telefone durante 5 dias no meio do mês de Maio, mas a linha da internet estava ok.
Agora, desde sexta-feira, dia 30-05-2014, estou sem as duas linhas, e a Vivo nada faz, pede 48 horas, depois que estas passam e não fazem nada, irão pedir mais 48 horas, porque esta é a resposta padrão.
Lenovo? Não comprem nada desta empresa que diz ser a maior do mundo, pois ao menos aqui neste país de ninguém, ele faz o que quer, não atende quem comprou dela algum aparelho, no meu caso Notebook, e ainda faz pouco caso coma amilhares de reclamações de usuários enganados que postam no seu site, no facebook e outros.
Estou usando um recurso extra para postar este, para que não pensem ter eu saído em férias e não avisado.
E adianta reclamar neste país?
Como a foto mostra, um bobo da corte atrás do outro e o chocolate adoçando a boca do povo
Até o próximo brinde!
Quando?????
Álvaro Cézar Galvão
 
 

 

 

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Seminário sobre a Bourgogne com Jean Claude Cara que disse:“Quer conhecer um pouco dos vinhos da Bourgogne, fique lá ao menos um ano”.


 

Meninas e meninos,
Tenho ao longo desta minha vida de enófilo praticante, frequentado muitos cursos e seminários ligados ao tema, que só me engrandecem em conhecimento e experiência.
Alguns deles são bons, outros medianos, poucos são ótimos, mas raros são excelentes.
Ser um curso ou seminário excelente requer modéstia, humildade, além do conhecimento de quem ministra.
Foi o que vi no seminário ministrado pelo amigo Jean Claude Cara sobre os vinhos da Bourgogne e uma de suas 5 grandes regiões produtoras, Chablis promovido pelo BIVB (Bureau Interprofissionel des Vins De Bourgogne em conjunto com o SENAC.
Começo com uma citação do Jean, feita no final das sete horas e meia de seminário:
“Para os profissionais do vinho, se pudesse dar um conselho, diria que se especializem em uma região, com sua história, sua tradição, suas lendas, sua gastronomia, sem perder tempo em querer saber tudo e de tudo sobre o mundo vitivinícola global”.
Perceberam a grandeza do conselho?
Parabéns Jean, e felicito ao SENAC pela parceria com o BIVB, além de incitar aos participantes das duas turmas que tiveram o privilégio de participar do seminário que pratiquem o conselho do Jean.
Ainda postarei sobre os belos vinhos dos dois painéis, mas não posso deixar de registra que nas duas baterias de degustação. A primeira com vinhos das 5 regiões e a segunda com Chablis que os que mais me agradaram foram na primeira bateria o Chablis 1ºer Cru Vaillons 2010 Jean-Paul e Benoit Drouhin e no segundo o Chablis 1ºer Cru Montmains 2010 Joseph Drouhin.
O primeiro com olfato a frutos secos, sutil anis ao fundo, cítrico, confirmados em boca e acidez boa.
O segundo, cítrico, mineral(fósforo leve e um calcário a giz) em boca frutado cítrico confitado, seco, longo, redondo ótimo!
Será coincidência ou descubro aqui uma tendência?
Preciso urgentemente degustar muitos mais exemplares destes para tirar a prova.
www.brasilbourgogne.fr

VEJA SEMPRE O SITE  WWW.DIVINOGUIA.COM.BR
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

 

 

 

sábado, 26 de abril de 2014

Panorama dos espumantes do Hemisfério Sul com Steven Spurrier, editor da revista Decanter Magazine, o mesmo do famoso Julgamento de Paris lembram?



 
Meninas e meninos,

Com a ilustre presença do conhecido e respeitado wine-jornalist Steven Spurrier, e com participação essencial do Ibravin, da Fecomércio São Paulo, do Wines of Brasil, Strauss e WSET, tivemos um painel que creio seja a primeira vez que tenha sido efetuado com espumantes do hemisfério sul, compreendendo os seguintes países: África do Sul, Argentina, Austrália, Brasil, Chile, Nova Zelândia.

Foram degustadas 11 amostras de espumantes destes países vinificadas pelo método Charmat e 10 amostras pelo método tradicional.

Darei aqui meu testemunho daquilo que degustei, e não vou entrar no mérito da votação pelos jurados, pois em verdade não há exatamente ganhadores e perdedores no certame, mas sim comparações de estilos, se bem que alguns países enviaram amostras em menor número que outros, prejudicando a meu ver o painel.

Outro dado importante é que tínhamos conhecimento dos países, sendo, porém a prova às cegas, sem conhecermos os produtores, e também em meu entendimento a degustação deveria ter sido totalmente às cegas.

Método Charmat: Empataram em minha análise amostras 6 e 8, respectivamente Brasil-Cordelier Brut e Chile Concha Y Toro Brut. Com leve vantagem acima destes, a amostra 10 da Nova Zelândia- Silene Sparkling Brut.
Método Tradicional:Amostra 6 isolada, um meu velho conhecido, o Casa Valduga 130.

Os resultados dos jurados foram um pouco diferentes dos meus, sendo o mais votado no método Charmat a amostra 10(coincidiu com a minha análise) e no tradicional a amostra 5 o Millèsime da Miolo, mas, como disse antes, não era um julgamento, apenas comparações de estilos.

A palestra de Steven Spurrier foi muito boa, com alguns alertas interessantes como:  
“Champagne no Brasil? aqui vocês têm seus belos espumantes”.
“O mercado do Reino Unido, que é dos maiores, vê os espumantes superando os Champagnes”.
“Champagne é Black tie, o Prosecco é casual chique”.
“O Brasil tem que se preocupar mais em definir um estilo de espumante do que criar vários, isto fica para depois que o consumidor conhecer e reconhecer estes vinhos”.

Parabéns aos participantes do júri, pela ordem na foto da esquerda para a direita:
Eduardo Ivoti-Marcelo Copelo-Roberto Rabacino-Suzana Barelli-Dirceu Vianna-Steven Spurrier-Mauro Zanus-Patricio Tápia-Christian Burgos-Horst kissmann-Diego Arrebola
Parabéns aos organizadores.
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

 

 

 

 

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Esta semana promete ser das mais movimentadas para o setor dos vinhos.


Meninas e meninos,
Em pleno feriado temos aos menos três eventos grandes sobre vinhos, e estes são apenas o começo de uma semana muito movimentada para o setor.
Amanhã começa a Expovinis, a maior feira de vinhos da América Latina, e com ela palestras e mais palestras, degustações comentadas, almoços e jantares com produtores.
Ao findar da semana, sábado dia 26 de Abril começando as 14 h, uma bela mostra de vinhos a “Au Vin Wine shop and Tasting Bar”, onde serão degustados mais de 50 rótulos, em ambiente com música.
Ingresso a R$ 120,00 com R$ 40,00 revertidos em compras dos vinhos.
Au Vin é uma importadora pequena que importa e distribui os vinhos da vinícola libanesa Massaya, e também funciona como loja e restaurante distribuindo vinhos de pequenas e seletas importadoras, uma boa razão para fazer uma visita ao evento deste sábado.
Au Vin
R. Diogo Jácome, 475-Loja B-V.N.Conceição
Tel: 11 4561-2896
Até o próximo brinde!


Álvaro Cézar Galvão

sábado, 19 de abril de 2014

Almoço de páscoa e o tradicional bacalhau são companheiros, mas com qual vinho?



Meninas e meninos,

Para um almoço, bastam três vinhos e uma cerveja.
Meus dotes culinários foram mais uma vez postos à prova, pois recebi visitas importantes e todas ávidas pela aventura gastronômica que eu iria proporcionar, então resolvi testa-los com três diferentes vinhos para a harmonização e uma cerveja para os mais resistentes ao sublime néctar.
Para o bacalhau, postas limpas e dessalgadas de lombo do Gadus Morhua, embaladas uma a uma( me lembra do drops Dulcora...).
Muita cebola, alho o quanto eu creio que baste, pimentão vermelho, mais doce, para contrapor pimenta Cambuci( ao invés do pimentão verde que acho bom, mas é mais indigesto para alguns), azeite exta virgem DOP Monte Etna- Natale,  e um ingrediente que cada vez mais uso, a pimenta de origem Mapuche, o Canelo Tree.
Água fervente, coloco as postas e quando abre novamente a fervura as retiro, está pronto o peixe, sim, bacalhau é peixe, mesmo os portugueses afirmando o contrário!
Batatas cozidas na mesma água do bacalhau para saboriza-las, retiradas “al dente”, pois ainda irão ao forno, colocadas uma parte sobre a forma untadas com azeite, a fritada, postas de bacalhau, generosas porções de azeite, mais fritada e batatas, e azeitonas pretas para finalizar.
Deixo descansar por meia hora e forno pré-aquecido e deixo até o azeite borbulhar.

Vinhos:
O Rose, o Muga 2009 Riojano, para a entrada é ótimo, muito floral e mineral, também mostra frutado, combina bem com a fritada aromática, mas espero mais dos outros dois vinhos.
O Klein Cosntantia Sauvignon Blanc, com 13,5% de álcool pega bem o bacalhau, vinho sul africano com alguma salinidade, cítricos suaves, e aveludado em boca. Tem álcool para o azeite e o amido das batatas, Muito bom.
O Esporão Reserva 2009 com 14,5% já senhor pela idade, redondo, amanteigado, frutas secas, cítrico presente, alguma mineralidade lembrando pó de giz, longo, se deu muito bem, afinal fala a mesma língua do bacalhau ora pois!
Testada a cerveja belga Tempelier, não fez feio de modo algum. Limpou a boca, espuma vigorosa e firme, uma blond legítima.
Para que tantas sensações? Ora prática amigos, testes, “litragem” é tudo na harmonização.
Recomendo que façam a mesma viagem enogastronômica e tenham seus respectivos comentários e conclusões.
O azeite Siciliano Natale, varietal de olivas Nocellara, é um dos melhores que tenho provado, e combina bem com o prato.
NÃO SE ESQUEÇAM WWW.DIVINOGUIA.COM.BR
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

 

sábado, 5 de abril de 2014

Quality Wine 5ª edição

Meninas e meninos,
Mais uma bela iniciativa para a melhoria da qualidade, do incremento da vendas e troca de informações sobre o consumo e consumidor.

Quality Wine mostra novas tendências de comercialização e experiências de consumo

5ª edição do evento traz na programação palestras sobre construção de marca, canais de venda online, enoturismo e gastronomia com cases de sucesso internacional

Novas formas de comercialização dos produtos vitivinícolas, experiência de consumo e de valorização das marcas serão os pontos chaves do 5º Quality Wine, que ocorre nos dias 10 e 11 de abril, em Bento Gonçalves, paralelamente ao Salão de Tecnologia para Enologia e Viticultura (Vinotech). O evento, promovido pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), é voltado prioritariamente ao setor vitivinícola, mas é aberto ao público com palestras sobre a inovação da comercialização de vinhos nos canais tradicionais, conceito de marcas, novas ferramentas para o enoturismo e participação dos vinhos brasileiros nos canais de venda online.
Na abertura, às 14h, o diretor editorial da revista Prazeres da Mesa, Ricardo Castilho, falará sobre alimentação fora do lar e a valorização da gastronomia brasileira: oportunidade para alavancar o consumo dos vinhos brazucas. Em seguida, o sommelier Rodrigo Albuquerque apresentará o case Restaurante Aprazível e o sucesso da sua carta de vinhos brasileiros. O empreendimento foi eleito por três anos consecutivos, pela revista Prazeres da Mesa, como detentor da melhor carta de vinhos brasileiros. No encerramento do primeiro dia, o diretor executivo da Wine.com - segundo maior site para venda online de vinhos no mundo -, Anselmo Endlich, apresenta as perspectivas  e oportunidades para o vinho brasileiro no e-commerce.
O segundo dia abre com uma palestra que tem como objetivo fazer os participantes saírem da zona de conforto. O diretor criativo da marca Cavalera, Alberto Hiar, conhecido como Turco  Loco, apresentará o case Cavalera: a experiência além do produto. "A palestra foi inserida na programação para que o setor conheça formas de inovar na construção de marca, no conceito de produtos e na importância da criatividade como ferramenta estratégica", explica o gerente de Promoção do Ibravin, Diego Bertolini.
A segunda palestra mostrará a experiência do vinho no ambiente digital, com o fundador da Wineducation Marketing Online e Social Business, Sebastian Torres. No encerramento, a diretora comercial dessa instituição, Jael Lena, falará sobre as estratégias, ferramentas e resultados para conquistar o novo consumidor.
Diego Bertolini reforça que neste ano o Quality Wine é associará o enoturismo a novas experiências de consumo. "São dois pilares estratégicos e que se complementam. É um evento com grande foco na inovação, que trata também de gastronomia e novas formas de comercialização, sempre com viés de aumentar as vendas dos produtos vitivinícolas", reitera.
SERVIÇO
5º Quality Wine: O mercado do vinho e as diversas possibilidades de conquistar o consumidor
Data: 10 e 11 de abril
Horário: das 14h às 18h
Local: Parque de Eventos de Bento Gonçalves
Inscrições: gratuitas (vagas limitadas) pelo site www.envasebrasil.com.br, até o dia 8 de abril
Organização: Ibravin, com apoio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa/RS)
NÃO SE ESQUEÇA DE VISITAR O SITE : WWW.DIVINOGUIA.COM.BR
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão