sexta-feira, 24 de março de 2017

Queijos na SBAV--SP

Meninas e meninos,
Eu não perderei por nada a próxima degustação da Associação Brasileira dos Amigos do Vinho-SBAV-SP
Vejam abaixo que maravilha de apresentação:

Queijos Nacionais de Origem
terça-feira, dia 28 de março

Dia 28 de março, acontecerá na SBAV-SP uma degustação de queijos nacionais de origem. 
Não perca essa oportunidade de provar queijos brasileiros de nível internacional proveniente de regiões renomadas como Serra da Canastra, Serra das Antas, Amparo e Joanópolis.

Durante a prova, apresentada por especialista, será servido um belo espumante nacional.
Grandes exemplares que já conquistaram prêmios na França e Espanha e serão apresentados pelo Falco, especialista no assunto e proprietário da Galeria do Queijo.
Tomme de Savoie - Leite de Vaca, possui casca dura com mofos cinza, é prensado e não cozido.

Capim Canastra – Leite cru de vaca, tem todo o Terroir da Serra da canastra.

Gorgonzola Dolce – Se diferencia do gorgonzola tradicional por ter o sabor mais suave, mofo mais claro e textura mais fechada.

Pirâmide do Bosque – Leite de cabra - Cremoso na boca, Recoberto com carvão vegetal e mofo branco.

Coração da Serra – Leite cru de vaca, mofo branco (Penicillium candidum) o mesmo do brie.

Queijo Tulha – Leite de vaca, Dezoito meses de maturação, sabor intenso e levemente salgado.
Serviço:

Data: 28 março (terça-feira)
Horário: 20 horas
Valor do investimento:
Associados: R$50,00
Não associados: R$100,00
Local: Sede da Sbav/SP, Rua Cincinato Braga, 321 – 4º andar – Bela Vista (Próximo ao metrô Brigadeiro).
Estacionamento no local: R$8,00 – não esqueça de carimbar seu ticket.
Informações e inscrições e reservas
Anderson, através do e-mail vinho@sbav-sp.com.br , ou através do telefone 11-3814-7905.
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão


terça-feira, 14 de março de 2017

Agora no Brasil novos queijos da França, agora da Borgonha.

Divulgação

Meninas e meninos,

Adoro queijos, sejam daqui ou de fora como os queijos da Borgonha que agora chegam ao Brasil.
Para muitos quando se fala nesta região francesa, a Borgonha, logo se pensa em vinhos, não é mesmo?
Mas a Borgonha é muito mais, tem uma gastronomia rica e variada, é só lembrarmos, por exemplo, do famoso Bœuf Bourguignon, ou Bife Borgonhês.
Agora para os amantes desta iguaria, o queijo, a Borgonha nos mostra queijos de sabores únicos, feitos segundo modos tradicionais, transmitidos de geração a geração, carregando características intimamente ligadas ao terroir e justamente por isso tão notáveis e singulares.
O CNIEL-Centre National Interprofessionnel de l’Économie Laitière ou traduzindo- Centro Nacional Interprofissional da Economia Leiteira, vai trazer ao longo deste ano de 2017 variados queijos que muito representam esta parte da França, a Borgonha.
Alguns do exemplo disto são os tipos de queijos que a Borgonha tem como: Chaource, Époisses, Soumaintrain e Brillat-Savarin, queijos com cremosidade e notas lácteas acentuadas, que estarão disponíveis no país permitindo que os brasileiros explorem novas sensações e ampliem seus conhecimentos sobre os queijos da França.
O produtor escolhido é a família Lincet, que estão fazendo queijos há cindo gerações, e que de sua origem no Marne, foi para Saligny, bem no meio da Borgonha em 1957, por ocasião da aquisição de um pequeno laticínio, especializando-se na produção do queijo Sain Florentin.
Seus queijos são produzidos com leite integral e de vacas, seguindo receitas muito antigas e tradicionais, sempre na perseguição da qualidade.
Cada tipo possui particularidades e qualidades próprias, mas a produção tem início em um processo único desde a coleta com a moldagem e a drenagem, e logo a seguir, os queijos são virados e salgados a seco.
Os produtos frescos são então "secos" e acondicionados por dois dias, e os maturados, serão são levados para as salas de maturação por um período mínimo de duas semanas.
É durante este tempo que se forma a casca branca característica, permitindo que o queijo amadureça e desenvolva seu aroma distinto. Já os queijos de casca lavada são lavados e transformados a mão de três a quatro vezes por semana com Marc de Bourgogne ou água salgada, para ajudar a desenvolver seus sabores e aromas característicos.
Além dos exemplares produzidos pela família Lincet, que chegam ao mercado brasileiro nos próximos meses, outros três queijos que foram trazidos ao Brasil pela primeira vez em 2016 devem continuar se destacando nas mesas e nas degustações neste ano.
O intenso Mimolette Isigny, um dos queijos mais tradicionais da França, tem massa prensada, cor alaranjada com corante natural, sabor com notas de avelã e aroma frutado se desenvolve com o passar do tempo.
O Pont-l'Évêque Isigny (DOP), por sua vez, é um dos mais populares entre os franceses, é originário da Normandia, possui textura macia e cremosa, sabor levemente salgado e aroma de avelã.
Já o amanteigado Abbaye St. Paulin Isigny, produzido com leite da região da Normandia, tem sabor e aroma suaves​ e​ sem acidez.
O Soumaintrain passa por uma maturação com lavagens frequentes durante um período de seis semanas a dois meses, e devido às várias lavagens, sua casca é naturalmente enrugada e úmida, de cor bege claro.
Queijo macio de massa mole possui textura cremosa e cor marfim tendendo para amarelo pálido, trazendo sabor e suavidade à boca muito equilibrada, um toque de acidez (lácteo) e aroma intenso; dependendo da estação, pode trazer sabores vegetais mais ou menos intensos.
Proveniente da região de Borgonha, no departamento de Aube, seu nome deriva da aldeia situada no departamento de Yonne na qual ele era fabricado originalmente.
Brillat-Savarin fresco e natural (I.G.P**)produzido na região de Borgonha, tem seu nome em homenagem ao famoso gastrônomo francês do século XVIII, Jean Anthelme Brillat-Savarin.
Trata-se de um queijo triplo-creme feito com leite integral de vaca, macio, de massa mole e sem casca de superfície branca uniforme e úmida. Possui odores lácteos, aromas delicados de crème fraîche e textura fresca e cremosa com sabor ligeiramente ácido e salgado.
Brillat-Savarin maturado (I.G.P**) , também um queijo triplo-creme de leite integral de vaca. Macio, de massa mole e casca aveludada (mofo branco), possui massa uniforme de cor marfim, com aromas de cogumelo e creme e textura cremosa e suave. Seu sabor é ligeiramente ácido (sabor lácteo) e salgado e tem aromas delicados de creme e manteiga.
O CNIEL, Centro Nacional Interprofissional da Economia Leiteira foi criado em 1973 por produtores e processadores de leite. Seus principais objetivos são facilitar as relações entre ambos e promover uma imagem positiva do leite e produtos lácteos.
Após quatro anos de presença no Brasil, o CNIEL vem promovendo ações com o intuito de intensificar o consumo de queijos nos hábitos alimentares dos brasileiros.
 A.O.P. - Apellation d’Origine Protegée. Em português DOP - Denominação de Origem Protegida
** I.G.P - Indication Géographique Protégée. Em português IGP - Indicação Geográfica Protegida
Para maiores informações-Caroline Putnoki – caroline.putnoki@sopexa.com | Tel.: (11) 4508-8465
Até o próximo brinde!


Álvaro Cézar Galvão

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Festival de Comida Orgânica no Café Journal


 
                                         Pannacotta para o festival OFF-crédito Rafael Wainberg
 
Meninas e meninos,

Já começou o terceiro evento OFF. Até dia 12 de fevereiro acontece o Organic Food Fest- Organic Food Fest, que segue até 12 de Fevereiro, com a proposta principal de três fundamentos da gastronomia: saúde, sabor e frescor.

O menu, de cinco tempos, se obriga a ter metade dos ingredientes de origem orgânica e o restante provenientes de pequenos agricultores.

O Chef Muran, do Café Journal, tem os seguintes pratos:

ENTRADA: Salada de folhas da estação, legumes grelhados e mousse légère de queijo de cabra, servida com molho de agridoce de mostarda e mel.

PRATOS PRINCIPAIS: 

CUBOS DE PIRARUCU COM TUCUPI, servido com arroz na manteiga de castanhas do Pará e farofa de banana da terra e pimenta de cheiro.

PALETA DE CORDEIRO RECHEADA com arroz árabe, coberta com molho obtido de redução do assado e coalhada seca.

CONFIT DE CANARD assado pacientemente em baixa temperatura, com molho de vinho tinto e batatas rusticas temperadas com ervas de Provence.

SOBREMESA: PANNA COTTA DE IOGURTE NATURAL com caramelo de frutas vermelhas e folhas de manjericão.

O evento tem, ainda, uma ação solidária, que para cada menu vendido, o restaurante oferece ao cliente a oportunidade de contribuir com R$ 2,00 a mais em prol da associação comunitária Monte Azul (www.monteazul.org.br). Fundada em 1979, a ONG atua na periferia de São Paulo desenvolvendo importantes projetos de saúde e reeducação alimentar, como a implantação de hortas orgânicas próprias em comunidades carentes.

 Serviço:


Até dia 12 de fevereiro

Preço por pessoa: 150,00 + R$2,00

Restaurante e Wine Bar Café Journal

Alameda dos Anapurus, 1121 – Moema

Fone: 5055.9454

Informação para Imprensa: Blue Comunicações a/c Marilu Peretti

Fones: 11  99686.1729

Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

 

 

 

terça-feira, 29 de novembro de 2016

FESTIVAL DUO APRESENTA HARMONIZAÇÕES




Meninas e meninos,
Vem aí mais um festival mostrando os vinhos argentinos, vejam:

Wines of Argentina, em parceria com as importantes redes de restaurantes RASCAL e NB STEAK e com a Revista Prazeres da Mesa, criou o FESTIVAL DUO, que tem como objetivo apresentar as inúmeras possibilidades de harmonização entre os vinhos argentinos elaborados com diversas uvas e os mais variados pratos  de seus cardápios. Algumas das maiores e mais importantes bodegas argentinas estarão presentes nas cartas de vinhos do Festival Duo, que acontece do dia 22 de novembro a 7 de dezembro nas nove unidades do Ráscal e nas três unidades do NB Steak, ambos em São Paulo.

A idéia é mostrar a versatilidade de diversos estilos e tipos de vinhos argentinos, com alguns dos melhores e mais populares pratos destes 2 restaurantes a preços especiais, abaixo dos que normalmente são praticados em suas cartas regulares.

No Rascal, os rótulos selecionados, serão oferecidos a preços especiais e com as respectivas harmonizações sugeridas. para os pratos a la carte e do buffet, no almoço ou jantar. Já no NB, os vinhos também estarão com condições especiais para serem harmonizados com os seus famosos cortes de carnes.

Wines of Argentina:


Twitter: winesofarg 


Instagram: @winesofargentina

 Rascal:


NB Steak:

Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão
 

 

 

 

 

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Altos Las Hormigas mostra o futuro da Argentina vinícola


 
Meninas e meninos,

Estive faz algum tempo em uma espetacular máster class sobre o terroir adequado refletindo a singularidade nos vinhos advindos dos diversos macro e micro fatores, como os climáticos, de solo e de cepas.
Como de costume, não posto muito próximo dos eventos que participo, por acreditar que a superexposição de textos, fotos e citações à época do que aconteceu, causa certo cansaço nos leitores, que temos que entender, muitos deles são neófitos, aprendizes ávidos, porém, ler sobre o mesmo tema muitas vezes, não creio seja o melhor.

Voltando ao tema, Altos Las Hormigas, vinícola muito conhecida dentro e fora da Argentina, busca com seus profissionais, cada vez mais os fatores que diferenciam naturalmente os vinhos que, vinificados em regiões distintas, apresentam certas características comuns ao que chamamos terroir, ou seja, um conjunto de fatores locais como o clima, o solo, a maneira de condução das parreiras, onde mais ou menos insolação, mais ou menos ventos interferem e mudam características, a cepa escolhida, o manejo durante o ciclo da videira etc...

Antes um pouco do que é a vinícola:
Em 1995, Alberto Antonini, vinicultor conhecido da Toscana, e Antônio Morescalchi, jovem empreendedor, buscaram conhecer as áreas de produção de vinhos em crescimento na América do Sul, e, se depararam com as vinícolas em pleno desenvolvimento nas elevadas altitudes e no clima seco de Mendoza.

O próximo passo veio com a aquisição de 206 hectares no município rural de Lujan de Cuyo.
Quando os vinhedos foram plantados em 1996, os trabalhadores se viram com colônias locais de formigas (hormigas), e se recusaram a envenená-las, passando então a buscar formas naturais para desviar a atenção delas das jovens plantas. Comentavam eles, que as formigas eram as proprietárias “reais” do local e pareciam cobrir uma área enorme e realizar grandes tarefas apesar do seu tamanho minúsculo.

Existe um ditado na Argentina: “un trabajo de hormigas” ou “um trabalho de formigas” que descreve um trabalho extenso realizado com humildade e paciência. Aceitando (ao invés de questionando) esse primeiro teste cultural, foi decidido que a propriedade deveria ser nomeada em homenagem às formigas que são trabalhadoras assíduas, têm espírito de equipe e são muito persistentes.
Passando adiante do tempo, já em 2008, teve início ao Projeto Terroir, filosofia implantada em todas as etapas da busca de solos propícios, ao vinho, reduzindo o uso de carvalho novo, nas práticas viticulturais, aplicando técnicas agrícolas precisas, incluindo um sistema de irrigação padrão, bem como uma fazenda orgânica e biodinâmica, mantendo o compromisso de buscar um vinho autêntico.

As ideias sobre produção de vinhos trazidas da Itália contemporânea são aplicadas ao conhecimento local e à viticultura argentina. A equipe fundadora com Alberto Antonini, que largou seu trabalho de produção de vinho na famosa Antinori para explorar o potencial que viu em Mendoza; Attilio Pagli, também vindo da Toscana para Mendoza; e Carlos Vazquez, um pioneiro na viticultura argentina. Antônio Morescalchi apresentou o Malbec argentino a um mundo que, há 20 anos, não conhecia nem o Malbec nem a Argentina como país produtor de vinho.
Passando a máster class apresentada por Leo Erazo, enólogo da Altos Las Hormigas, que apresentou seus vinhos com conceito de Terroir, feito em conjunto com o conhecido sommelier chileno Hector Riquelme, máster class ofertado pela importadora dos vinhos Altos Las Hormigas em parceria com a Eno Cultura.

Qual o futuro da Argentina vinícola? Se depender da Altos Las Hormigas, a resposta está na ponta da língua: “Estamos convencidos de que a próxima geração de vinhos da Argentina deverá refletir mais a área na qual são produzidos.  Para tanto, deve-se dispensar mais atenção aos estudos do solo e entender o terroir de Mendoza. Acreditamos estar à frente desse movimento. Nossa visão é produzir vinhos singulares que sejam um reflexo da nossa crença inabalável: de que a escolha do local é o futuro da Argentina”. 
A extensa pesquisa sobre esses solos de calcário resultou no mapeamento extenso e na classificação das áreas de cultivo de Mendoza, identificando os locais mais ideais e empolgantes.  Os solos de Mendoza são aluviais e foram formados pela ação da água em movimento derivada do desgelo das montanhas dos Andes. Conforme viaja os Andes abaixo, a água arrasta diferentes elementos, depositando-os pelo caminho, e assim forma diversos solos ao longo dos anos. Cada solo distinto resulta em um vinho distinto.

Não quero ser mais extenso, e nem me aprofundar muito neste tema, pois o que realmente sempre importa para mim é a incrível sensação do “gosto ou não gosto”, expressa nas palavras de quem degusta os vinhos, com mais ou menos profundidade de conhecimentos, mas com o prazer de ter um vinho na taça.
Eu, particularmente gosto muito dos vinhos da Altos Las Hormigas, principalmente os de origem da região de Vista Flores, para o Malbec, mas considero o Colonia Las Liebres Bonarda, um exemplo de relação qualidade X preço das melhores do mercado.

A World Wine importa os seguintes vinhos da Altos Las Hormigas: Colonia Las Liebres Bonarda- Malbec Clásico-Malbec Terroir-Malbec Reserva-Malbec Appellation Vista-Malbec Appellation- Malbec Appellation Gualtallary e para saber mais e sobre os preços, consultem a World Wine por telefone nas Capitais: 11 4003-9463, ou demais localidades: 0800 880 9463, e também pelo site www.worldwine.com.br
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Câmara federal aprova inclusão das vinícolas no Simples


 


 
Meninas e meninos,

Mais um passo em direção ao que todos nós almejamos, a inclusão das vinícolas no Simples, uma desburocratização e melhoria sensível para o setor.

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou ontem, dia 04/10 unanimemente o Projeto de Lei Complementar (PLP) 25/07 que inclui as vinícolas no Simples Nacional.

O parecer do relator, deputado federal Carlos Melles (DEM/MG), também abrange as micro cervejarias e as empresas que elaboram cachaças artesanais.  Com as mudanças, o novo Supersimples amplia o limite de faturamento de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões e cria as Empresas Simples de Crédito para facilitar o acesso ao crédito para as micro e pequenas empresas (MPEs). O limite de faturamento para os microempreendedores individuais (MEIs) passa de R$ 60 mil para R$ 81 mil. O texto também amplia o prazo de parcelamento de 60 para 120 meses, com redução de multas e juros.

O diretor de Relações Institucionais do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Carlos Paviani,  acredita que a presidência da República, irá sancionar o PLP 25/07.

"Foi um trabalho importante no sentido de mostrarmos as particularidades de um setor em que cerca de 90% das empresas são de pequeno e médio porte, além de darmos uma passo significativo para a desburocratização da atividade vitivinícola. Podemos ter centenas de novas empresas, produtores de vinho colonial, formalizados", antecipa.

A emenda para a inclusão dos vinhos no Simples é de autoria do deputado Afonso Hamm, vice-presidente da Frente Parlamentar de Defesa e Valorização da Produção Nacional de Uvas, Vinhos e Espumantes e vice-presidente da Comissão Especial que analisou o projeto. “A inclusão dessas matérias é de grande importância econômica e social para o Rio Grande do Sul, que é um dos maiores produtores de vinho do país”, enfatiza Hamm ao destacar a importante participação do setor na articulação junto ao Congresso. “A inclusão ajudará na manutenção da atividade vitivinícola, na melhoria da renda dos produtores e na empregabilidade de centenas de famílias”, acredita.

A aprovação na Câmara também contou com a articulação dos deputados gaúchos Mauro Pereira (PMDB/RS) - presidente da Frente Parlamentar de apoio ao setor no Congresso -, Jerônimo Goergen (PP/RS) e Pepe Vargas (PT/RS).

Boas novas, e que o presidente Michel Temer sancione este projeto, é o que todos nós desejamos.

Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão



terça-feira, 4 de outubro de 2016

Recebi um convite do Bernardinho que não podia recusar!

         

Meninas e meninos,

Meninas e meninos,

Recebi um convite do Bernardinho  que não podia recusar!

E já começo com uma frase do Bernardinho, que ele mesmo disse não ser dele, mas que a usa frequentemente:

“A disciplina é a ponte que liga o soma à realização”, não é espetacular esta frase?
 

Eu me sinto um pouco eduK, pois larguei a engenharia a anos passados, para poder exercer o sonho de lidar com o lado lúdico da gastronomia e dos vinhos.

Em um encontro bem descontraído, os sócios Eduardo Lima e Robson Catalan, Idealizadores do eduK, em 2013 contou com aporte inicial de US$ 2 milhões das empresas Monashees Capital e Felicis Ventures.

Além disso, Bernardo Rezende, o Bernardinho, aderiu ao projeto por palavras dele, se achar muito inserido em projetos educacionais em sua área, e conhecendo a eduK, logo se tornou membro desse time.

Em 2015, a eduK recebeu uma nova rodada de investimento de US$ 10 milhões da Accel Partners, um dos principais fundos de investimento do Vale do Silício. Neste mesmo ano, a empresa implantou o modelo de assinaturas, trazendo mais alunos e entusiastas nas mais diversas áreas onde a eduK trabalha.

Hoje a eduK, comemora resultados ao lado de alunos que acreditaram no próprio potencial e hoje são empresários vivendo do sonho que se tornou possível e realidade.

Já no próximo dia 10 de Outubro, chegam à marca de mais de mil cursos realizados e em realização, e a previsão de chegar a 150 mil assinantes, é a meta a ser atingida, 35 milhões de pessoas já visitaram a plataforma nas áreas de gastronomia, artesanato, beleza, moda, fotografia e negócios.

Ministrando as aulas, a eduK conta com os melhores de cada segmento, chamados de experts: são mais de 400 ‘professores’, destaques em suas áreas pela expertise e profissionalismo.

O modelo é baseado na experiência de que muitos pagando pouco e sempre, obtêm-se resultados, tanto no negócio em si, como para o futuro dos educando de cada curso.

Modelo de negócios:

Os cursos transmitidos ao vivo pela eduK são gratuitos e tem a participação do público via chat. Cada curso é visto por cerca de 20 mil pessoas, de várias regiões do Brasil e até mesmo de outros países. Depois do “ao vivo”, o curso vai para o catálogo.

Antes de efetivar a assinatura que dá acesso a todos os cursos, a eduK oferece sete dias para experimentar toda a plataforma de forma gratuita (o conteúdo é liberado conforme a opção de plano escolhida).

Após o sétimo dia, começa a cobrança pelo acesso aos cursos do catálogo da eduK através de uma assinatura com pagamentos mensais, formato já consagrado por empresas como a Netflix, por exemplo.

Plano Básico: acesso a todos os cursos de uma área (gastronomia, por exemplo) – R$ 19,90/mês

Plano Duplo: acesso aos cursos de duas áreas a escolher – R$ 24,90/mês

Plano Premium: acesso ilimitado a todos os cursos disponíveis no site – R$ 29,90/mês

 

Os cursos da eduK têm, em média, 9 horas de duração e são divididos em três dias (3 horas em cada um). São elaborados de forma didática e prática para que o público use o conhecimento adquirido com a finalidade de empreender e gerar renda.

Vejam alguns exemplos:

Damaris Macedo se viu desempregada em 2012 quando começou a vender doces e bolos das receitas da tia para o sustento da casa. Com os cursos da eduK, ela aprimorou o cardápio e, no ano seguinte, nasceu a loja da Divino Doces Finos. A empresa de Damaris conta com nove funcionários e faturou R$700 mil em 2015. “Queremos crescer mais. A eduK participa de todo o sucesso. Aprimoro meu trabalho com os cursos de confeitaria que assisto aqui”, conta a microempresária.

 

João Maia perdeu a visão como consequência de uma doença aos 19 anos de idade. Seu mundo ruiu e a fase de aceitação da visão restrita durou longos dois anos. A fotografia sempre fez parte da sua vida: ele dividia a paixão com o atletismo que praticava. Seu sonho? Competir em jogos olímpicos, mas a deficiência na visão interrompeu este objetivo. João então se entregou a arte de fotografar: aplicativos e os olhos do colega (também deficiente) o ajudaram a seguir em frente. João Maia foi o primeiro fotógrafo cego a cobrir uma edição de Paralimpíada. “Com a eduK consigo aperfeiçoar minha arte já que o curso on-line me dá a oportunidade de aprender mesmo sem enxergar”, revela o ex-atleta.

 

Janine Gabriele se viu desempregada, fez um curso on-line de artesanato e hoje é uma empreendedora que atua no e-commerce internacional. “Meu próximo passo é abrir o próprio ateliê e estou batalhando para isso. Se não fossem as minhas bonecas, minha família teria passado por necessidades quando meu marido perdeu o emprego. Sustentei todas as despesas graças à arte que aprendi com os cursos da eduK”, explica a estilista.

 

Os cursos da eduK têm, em média, 9 horas de duração e são divididos em três dias (3 horas em cada um). São elaborados de forma didática e prática para que o público use o conhecimento adquirido com a finalidade de empreender e gerar renda.

“Nossa missão é levar capacitação para o público empreendedor que deseja transformar sua paixão em negócio. Com o aumento do desemprego, sentimos maior interesse das pessoas em buscar um plano B, muitas vezes um desejo de trabalhar com o então hobby. Nesse contexto a eduK torna-se uma iniciativa ainda mais relevante para o país, garantindo o empoderamento de seus cidadãos.”

Eduardo Lima, co-fundador e CEO eduK

 

“A seleção de professores, a curadoria de conteúdo e a produção de altíssima qualidade, suportada por uma equipe de dezenas de profissionais de comunicação e educação, são os pilares do sucesso da eduK, atestado pelo engajamento do nosso público. Reunimos mais de 2,6 milhões de fãs em nossa fanpage e 1,1 milhão de pessoas em nossas comunidades, que trocam experiências e informações diariamente, aprendendo uns com os outros.”

Robson Catalan, co-fundador e VP eduK

Rua Olavo Leite, 140 - Vila Andrade
São Paulo/SP - CEP: 05718-320
(11) 2394-8800


Até o próximo brinde!

 
Álvaro Cézar Galvão