quarta-feira, 28 de abril de 2021

Consevitis-RS elege novo coordenador.

 

                                           Luciano Rebellatto - crédito Artur Sartori Habercamp

Meninas e meninos,

Luciano Rebellatto é eleito novo coordenador do Consevitis-RS. Luciano, atualmente preside o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Garibaldi, Coronel Pilar e Boa Vista do Sul. Também é vice-presidente da Comissão Interestadual da Uva-CIU e substituirá Helio Marchioro a partir do dia 1º de Maio no Consevitis-RS.

 Vejam abaixo release enviado Rosângela Longhi- Assessora de imprensa Consevitis-RS:

As entidades que integram o Conselho de Planejamento e Gestão da Aplicação de Recursos Financeiros para Desenvolvimento da Vitivinicultura do Estado do Rio Grande do Sul (Consevitis-RS) elegeram, durante assembleia, na sexta-feira, 23, novo coordenador.

Luciano Rebellatto foi escolhido por unanimidade e substituirá Hélio Marchioro, diretor executivo da Federação das Cooperativas Vinícolas do Rio Grande do Sul (Fecovinho), que está à frente da entidade. Rebellatto coordenará o Conselho por um ano, a partir do próximo dia 1º de Maio.

Rebellatto é produtor rural, está em sua segunda gestão como presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Garibaldi, Coronel Pilar e Boa Vista do Sul (2016/2020 e 2020/2023) e é vice-presidente da Comissão Interestadual da Uva (CIU). Ele dará continuidade ao trabalho que já vinha sendo desenvolvido por Marchioro.

O novo coordenador enfatiza que contará com a ajuda de todos os representantes e equipe de colaboradores do Consevitis-RS. O plano de trabalho para aplicação de recursos do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura (Fundovitis) contempla uma série de projetos para o estímulo ao consumo e, consequentemente, a potencialização da venda do vinho brasileiro.

Não só do vinho brasileiro, mas da uva e seus derivados, tanto no mercado interno como externo (60% dos recursos) e na gestão e no ordenamento setorial (40% restantes).

“Estou disposto a trabalhar em harmonia para que os objetivos de aplicação do Fundovitis sejam atendidos de forma a beneficiar toda a cadeia produtiva da uva e do vinho” comentou Rebellato.

O Conselho conta com participação paritária de produtores de uva, representados pelos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais e Comissão Interestadual da Uva (CIU). Também da indústria vitivinícola, por meio da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra) e Associação Gaúcha de Vinicultores (Agavi). As cooperativas de vinho, por intermédio da Fecovinho também são representadas.

O Consevitis-RS tem o propósito de atuar no desenvolvimento e fortalecimento dos elos de cooperação dentro da cadeia produtiva da uva e do vinho. Também executar as políticas setoriais apresentadas ao Fundovitis, papel desempenhado até 2018 pelo Instituto Brasileiro do Vinho-Ibravin.

A receita do Fundo é originária do ICMS pago pelas vinícolas sobre a aquisição das uvas, sendo que 50% retornam para o setor. Desde dezembro de 2020, o Consevitis-RS passou a administrar as ações para aplicação dos recursos nas três grandes áreas de atuação. Estas áreas são promoção de produção e consumo da uva e seus derivados, gestão e ordenamento setorial, com o acompanhamento do Fundovitis e da SEAPDR.

Atualmente, o Consevitis-RS conta com uma equipe de nove profissionais ligados às áreas de gestão, administrativa, marketing, comunicação, agronomia e enologia. Está instalado em Bento Gonçalves (RS), em uma estrutura própria, dentro do Parque de Eventos.

Conquistas

À frente do Consevitis-RS, Marchioro teve como primeiro desafio a adaptação às exigências da SEAPDR para a posterior liberação de recursos disponíveis no Fundovitis. A partir desse momento, o Conselho deu início à divulgação dos Termos de Referências e contratação das equipes para posterior deliberação da gestão das ações, projetos e programas da Política de Desenvolvimento da Vitivinicultura.

“O plano representou o ‘marco zero’ para conseguirmos estruturar o Consevitis-RS e darmos início às ações. Trabalhamos em uma pauta positiva, que contribuísse para o reconhecimento do setor, atendendo todos os elos, e fosse altamente benéfica para a expansão do Estado”.

Marchioro garantiu compasso na execução do plano previsto, com o apoio dos demais representantes do Conselho. “Sempre prezamos pelo respeito às especificidades, necessidades e estágios, além de ampliar as oportunidades oriundas de possíveis parcerias com o setor público, associações de produtores, entidades técnicas de ensino, pesquisa e extensão”.

A retomada dos investimentos do Fundovitis vem ao encontro de um momento muito positivo para o setor vitivinícola, visto os bons números registrados em 2020 e os que têm sido apresentados até esse momento de 2021.

No segmento de ordenamento setorial uma série de avanços já podem ser verificados. Estão em andamento estudos para o dimensionamento econômico, diagnóstico estrutural e espacialização do complexo agroindustrial e de serviços da uva e do vinho no Rio Grande do Sul.

Em breve, ocorrerá a contratação de estudo para constituição de caracterização microrregional de produtos e de solos para vinhedos selecionados. A elaboração do Termo de Referência do Programa Alimentos Seguros (PAS Uva) para contratação de empresa que fará a gestão e acompanhamento do projeto com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) é outra iniciativa que está prestes a ser concretizada.

Também a finalização da primeira fase da Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), que consiste no diagnóstico e articulação institucional com parceiros para indicação de famílias de viticultores a serem assistidas. Também a realização do Cadastro Vitícola no sistema do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Com o objetivo de continuar com os importantes projetos até então desenvolvidos pelo Laboratório de Referência Enológica (Laren RS), ocorreu a aquisição e a entrega de materiais e insumos e tratativas para a realização de análises de amostras de uvas e derivados.

Na área de promoção do vinho brasileiro, em breve, uma plataforma digital será o canal de relacionamento e de conteúdo do setor para os diversos públicos. Consumidor, produtores, trade e imprensa, poderão obter informação, serviço, entretenimento e conhecimento.

Para o segundo semestre, uma estratégia de marketing digital, composta por três campanhas, terá como objetivo despertar novos consumidores. Como consequência, promover os produtos nacionais, principalmente os gaúchos, valorizando e estimulando o consumo do vinho do dia a dia de uma forma agradável, equilibrada e saudável.

Além de vinhos tintos, brancos e rosés serão contemplados espumantes, drinks com vinho e suco de uva. Para o mercado externo, está em desenvolvimento um plano de trabalho que prevê parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil). Isto se dará por meio de apoio de projeto setorial da promoção do vinho brasileiro, cuja previsão de início é julho de 2021.

Entre as ações previstas nesse projeto estão a participação em feiras e eventos internacionais, projetos Comprador e Imagem, além do fortalecimento de marca e percepção da imagem no exterior. Como contrapartida, estudos de consumo em mercados externos importantes para as vinícolas brasileiras exportadoras, como Estados Unidos e China, estão sendo contratados.

Para acompanhar as ações do Consevitis-RS acesse https://www.uvibraconsevitis-rs.com.br

 

 

Coordenador Consevitis-RS Gestão 2021/2022

Coordenador

Suplente

Luciano Rebellatto

Daniel Panizzi

 

Representantes Consevitis-RS Gestão 2021/2023

Entidades

Titular

Suplente

Agavi

Leocir Luvison

Everton Milani

CIU

Luciano Rebellatto

Cedenir Postal

Fecovinho

Helio Marchioro e Joel Panizzon

Ismar Pasini e Hermínio Ficagna

Sindrural

Renato Antonio Formolo

Valmir Antonio Suzin

Uvibra

Daniel Panizzi

Marcos Valduga

 Rosângela Longhi

Assessora de imprensa Consevitis

Consevitis-RS

 Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

 

 

sábado, 22 de agosto de 2020

10º BRAZIL WINE CHALLENGE

 

Meninas e meninos,

ABE- Associação Brasileira de Enologia- celebra as 627 amostras e intensifica esforços para ampliar número de países.

A Associação Brasileira de Enologia (ABE) estendeu o prazo para inscrição de vinhos, espumantes e destilados no 10º Brazil Wine Challenge até o dia 25 de agosto. A decisão é decorrente do Coronavírus e dos protocolos dos países que enfrentam dificuldades para o envio das amostras. A entidade comemora as 627 inscrições, que já supera as 611 da edição de 2018, porém busca ampliar o número de países. Hoje são 13 procedências (Alemanha, Argentina, Áustria, Bolívia, Brasil, Chile, Espanha, França, Itália, Marrocos, Portugal, Romênia e Uruguai). As inscrições devem ser feitas pelo site www.brazilwinechallenge.com.br, onde também está disponível o regulamento completo.


A grande novidade até o momento, além da superação das amostras em relação a edição anterior, é a estreia de Marrocos e Romênia no concurso, mostrando que a volta ao mundo pelos vinhos traz novas descobertas. “Mesmo com uma pandemia global, estamos comemorando as inscrições conquistadas, mas ainda esperamos ter a participação de mais países. Estendemos o prazo, pois diante do momento vivido foi preciso definir uma nova data do concurso e isso atrasou a definição por parte das empresas”, destaca o presidente da ABE, enólogo Daniel Salvador. Cabe destacar, que as amostras precisam estar na entidade até o dia 15 de setembro.

O concurso, único do Brasil com chancela da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) e da União Internacional de Enólogos (UIOE), acontecerá de 13 a 16 de outubro, no Centro Empresarial de Bento Gonçalves, seguindo todos os protocolos de segurança e regras de distanciamento social estabelecidos pelos órgãos competentes.


A cada três amostras inscritas, a quarta é gratuita. Para cada vinho inscrito é necessário enviar quatro garrafas rotuladas, laudo analítico assinado e cópia da Ficha de Inscrição online. Mais informações podem ser obtidas pelos e-mails enologia@terra.com.br e info@brazilwinechallenge.com.br. As degustações, que acontecerão de 13 a 15 de outubro. O evento integra a programação paralela da Fenavinho 2020, numa parceria firmada com o Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves (CIC-BG).

Fotos: Jeferson Soldi

Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Merlot Terroir 2018, o primeiro lendário da Miolo.




Meninas e meninos,

Esta nota vai na íntegra!

Emblemático tinto do Vale dos Vinhedos chega exibindo o melhor de uma safra histórica.

As 26.230 garrafas do Miolo Merlot Terroir 2018 são a primeira prova da Vinícola Miolo de que a Safra 2018 entrou para a história da vitivinicultura brasileira como a melhor de todos os tempos. O consumidor já pode testemunhar na taça o que o enólogo Adriano Miolo vem afirmando há dois anos: “2018 foi uma safra lendária e nós vamos eternizá-la, elaborando todos os nossos grandes vinhos. Lançaremos The 2018´s Seven Legendaries of Miolo – os Sete Lendários”, comemora. O primeiro a sair das caves subterrâneas do Vale dos Vinhedos é o Merlot Terroir 2018.

Depois de permanecer num sono profundo em barricas de carvalho francês por 12 meses, o vinho foi engarrafado, habitando as caves subterrâneas da Miolo por mais alguns meses. Mesmo antes de ser lançado, este lendário da variedade emblemática do Vale dos Vinhedos já figurava entre os grandes vinhos tintos brasileiros, alcançando 91 pontos no Descorchados 2019. Ostentando o selo de Denominação de Origem Vale dos Vinhedos (DOVV), carrega toda essência da uva que simboliza, além do terroir, o pioneirismo de uma cultura responsável por desenvolver a Serra Gaúcha, hoje responsável por 90% da produção nacional de vinhos.

“Cada safra reserva emoções que repartimos com todos em cada vinho que elaboramos. Em 2018, fomos além. Todas expectativas foram renovadas e superadas. E agora chegou o grande momento de compartilhar o resultado deste grande equilíbrio entre a natureza e o homem. O primeiro de nossos The 2018´s Seven Legendaries of Miolo está pronto para ser apreciado e nós, da Miolo, temos o maior prazer e orgulho de apresentar o Miolo Merlot Terroir 2018”, celebra Adriano Miolo.

O vinho
Com 15% de graduação alcoólica, o Merlot Terroir 2018 é um vinho nobre, com procedência reconhecida e que expressa o melhor de uma seleção de uvas Merlot dos vinhedos da Miolo no Vale dos Vinhedos. A colheita ocorreu na primeira quinzena de março com seleção manual dos cachos. Eleito o Melhor Merlot do Mundo em Londres, este vinho apresenta coloração vermelho rubi intenso com traços violáceos.

Tem alta intensidade aromática, com expressivo caráter varietal e excelente harmonia da fruta (cereja) com notas de carvalho como caramelo, cacau, café, baunilha. Estruturado, de taninos elegantes e aveludados, com grande volume de boca, apresenta ótimo equilíbrio entre o seu aspecto olfativo e gustativo. Ideal ser apreciado com temperatura entre 16ºC e 18ºC.

Combina muito bem com pratos de textura rica e de aromas intensos e complexos, como pato assado ao tamarindo, risoto de funghi, farfalle ao molho de gorgonzola. Macio, harmoniza por contraposição com comidas de tendência amarga e ácida, como frango caipira com polenta e radicci, avestruz ao molho de mostarda, caldeirada de marisco. Queijos maduros de massa dura, tipo parmesão, pecorino e grana padano são os mais indicados.

Os Sete Lendários
A Safra 2018 será compartilhada na taça através do lançamento dos  ‘Sete Lendários’ da Miolo. The 2018´s Seven Legendaries of Miolo. Os sete grandes vinhos serão lançados ao longo do primeiro semestre de 2020. São rótulos ícones das quatro regiões onde a marca está presente com vinhedos e unidades de produção: Miolo - Vale dos Vinhedos (RS), Terranova – Vale do São Francisco (BA), Seival / Candiota – Campanha Meridional (RS) e Almadén / Santana do Livramento, Campanha Central (RS).

“Nos 30 anos da Miolo, podemos dizer que tivemos duas grandes safras, a de 2005 e a de 2018. Ambas foram semelhantes climatologicamente, porém muito diferentes do ponto de vista tecnológico. 2018 é a melhor safra da história da Miolo. Por isso, nós a chamamos de Lendária”, comemora Adriano Miolo. Ele explica, ainda, que a Safra 2018 ficará na história da Miolo, pois a vinícola produzirá todos os seus grandes vinhos elaborados, exclusivamente, em safras excepcionais. “Uma safra de qualidade como esta vem para coroar todo o trabalho de dedicação e inovação que foi realizado ao longo dos anos em prol da melhoria da qualidade”, afirma Adriano Miolo.

No Vale dos Vinhedos, o clima em 2018 transcorreu de forma adequada, com chuvas limitadas e esparsas, acompanhado de temperaturas mais amenas em relação à média normal. As noites foram frescas e os dias mais quentes. Assim, a uva concentrou mais cor, aroma e açúcar, além da sanidade determinante para a elaboração de grandes vinhos.

Lançamentos Safra 2018:

Miolo Merlot Terroir – Miolo / Vale dos Vinhedos
Testardi – Terranova / Vale do São Francisco
Quinta do Seival Cabernet Sauvignon – Seival / Campanha Meridional
Quinta do Seival Castas Portuguesas – Seival / Campanha Meridional
Miolo Lote 43 – Miolo / Vale dos Vinhedos
Sesmarias – Seival / Campanha Meridional
Vinhas Velhas Tannat – Almadén / Campanha Central
 Imagem: Divulgação Miolo

Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão


terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Rivas Brewing.



Meninas e meninos,

Voltamos das férias com La Pancetta e cerveja do Rivas Brewing.
Depois deste ócio criativo, estou de volta com mais preocupação do que antes das férias. Meu administrador de site sumiu, e com ele, todas as senhas de acesso. Posso perder tudo o que publiquei no site Divino Guia .

Deixando as preocupações de lado, para refrescar, aliás, o lema da Rivas Brewing é: Cerveja Fresca
sem Frescura, a visita que fizemos com o Rotas e Notas foi espetacular. Gastronomia de boteco e com
qualidade, cervejas artesanais de respeito, e coquetéis singulares com cervejas.

No bar o amigo Rafafyre, mestre na coquetelaria, que agora inova com coquetéis à base de cervejas. 

No fogão o Chef Ricardo Masironi com criações de dar água na boca, e na cervejaria, o Rafael Abdalla, um dos quatro sócios.

Eles têm doze torneiras, sendo quatro de fabricação própria: Mr Miles Home Stout, Belga Louca, Funky Rivas IPA e a Rivas Lager. As outras oito torneiras são cervejas parceiras convidadas, sempre escolhidas criteriosamente.

No nosso canal do YouTube o Rotas e Notas  , Almir Anjos do Vinhos dos Anjos    e eu Álvaro Cézar Galvão do Divino Guia  descrevemos um pouco do que foi a visita.



Mas adianto que os coquetéis servidos são bárbaros, os petiscos e pratos também, e harmonizam muito bem com as cervejas da Rivas Brewing, pois alguns deles são marinados nas próprias cervejas.

Uma ótima sugestão para os aficionados desta bebida fermentada e também para os que amam destilados, sim o bar contempla alguns dos mais clássicos coquetéis, e posso falar de um: O Negroni com o toque da Tonka a semente do Cumaru. Divino! Sem falar nos coquetéis à base de cervejas que não são tão usuais neste mundo coqueteleiro.

Rivas Brewing
Al dos Nhambiquaras, 818- Moema-São Paulo-SP.
11 5052-7465

Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

terça-feira, 8 de outubro de 2019

E-mail para Nina Horta.



Meninas e meninos,

Transcrevo o e-mail que enviei à época para a Nina Horta. Nada mais triste do que perdermos memórias, e para que não se perca, uma delas ao menos, posto aqui um e-mail que mandei para Nina Horta em 29 de Fevereiro de 2012 comentando um texto que ela escrevera para o Caderno Comida da Folha de São Paulo.

Linda Nina linda,

Quanto tempo não a vejo? Sei que faz muuuito tempo.

Lendo sua coluna de hoje no caderno comida, logo me identifiquei(uma vez mais) com seu texto. Também sou daqueles que acho que se tivéssemos galinhas, especialmente as Angolas, e soltas, então estaríamos no que chamo "estado de espírito matuto".

Sabe Nina, sou nascido na capital, mas com certeza em outras vidas, morei na roça, no mato mesmo, pois desde pequeno sou afeito às coisas do campo, ordenhar vacas e ovelhas, andar a cavalo, plantar de um tudo, cozinhar(por inúmeras vezes matava o animal, limpava e cozinhava).

Hoje não mato mais, aceito de bom grado que alguém o faça, mas cozinhar, ainda gosto, e até por causa disso, o vinho entrou em minha vida, e minha experiência em enogastronomia aflorou.

Galinhas d'Angola adoro, até acho que fui uma delas em outras encarnações, de tanto que me identifico com elas. Tenho várias, de todos os formatos, de barro, de madeira, de louça, de pedra. Algumas penas delas, as cato e guardo.

Enfim, ao ler seu texto, fiquei apaixonado de pronto pela linguagem que me toca(seus textos têm este efeito em mim), e pelo assunto que me remeteu aos vários sítios, fazendas e chácara onde fui.

Cheguei a ter em meio à cidade, na zona sul de Sampa, algumas galinhas e patos, que pegava pintainhos, cuidava e via crescer(claro que seu fim digno sempre foi o do aprendizado culinário), bons tempos aqueles...

Só discordo de ti quando diz preferir a água ao solo, eu sou mais solo.

Nina, precisava escrever para você sobre a saudade de modo geral, que nos incomoda a ponto de não acharmos graça nos doces, comidas, leites, ovos, carnes, queijos (os de antanho eram melhores), não só atraídos ou traídos pelas nossas memórias olfativa e gustativa, mas principalmente pela memória afetiva, que faz com que as coisas que comemos, bebemos, as viagens que fizemos, quando boas e agradáveis, sejam sempre motivo de saudade e nunca mais sejam iguais.

Beijos de luz e calor 

Assim também, com muita saudade, será a lembrança de Nina Horta, falecida ontem 07-10-2019.

  Álvaro Cézar Galvão
"O ENGENHEIRO QUE VIROU VINHO"



segunda-feira, 22 de julho de 2019

Roteiro do Vinho de São Roque passa a integrar a AENOTUR.



Meninas e meninos,

O Roteiro do Vinho localizado no município de São Roque (SP),  passa a integrar a AENOTUR, 

Associação é formada por municípios e entidades gestoras do turismo vinculados à cultura do vinho e promotoras de roteiros do vinho, com representação em sete país. De acordo com Túlio Patto, Presidente do Roteiro do Vinho, esta participação é de suma importância tanto para o Roteiro quanto para os habitantes da Estância Turística de São Roque. “Trata-se de mais um passo, mais um reconhecimento do nosso Roteiro do Vinho para o Turismo e para a geração de empregos em nossa região”, afirma.

Sobre o Roteiro do Vinho, São Roque, SP: O Roteiro do Vinho fica localizado na cidade de São Roque (SP) em trecho de 12 quilômetros, que contem cerca de 40 estabelecimentos, dentre Vinícolas e Adegas, Restaurantes, Pousadas, Entretenimento e Compras.

Há restaurantes de Gastronomia Brasileira, Vegetariana, Comida Caipira, Tropeira, Portuguesa, Italiana e Contemporânea, há oferta de lazer e toda uma programação voltada ao universo dos vinhos. Em meio à Mata Atlântica, abriga animais como maritacas, tucanos, corujas e macaquinhos. O clima é bastante agradável, de montanha, com sol durante o dia e baixas temperaturas à noite.  

Sobre a Aenotur: A Associação Internacional de Enoturismo -Aenotur- foi criada em 2014 e está representada em sete países: Portugal, Espanha, França e Itália, na Europa, e Argentina, Brasil e Uruguai, na América do Sul. Entre os principais objetivos está a ampliação de sua atuação para os demais continentes e outros países que têm o enoturismo como uma alternativa de destinos turísticos, de fonte de renda para os produtores e como disseminador da cultura do vinho e do que ela representa para seus respectivos povos.

Serviço:
Roteiro do Vinho | @roteirodovinho | www.roteirodovinho.com.br

Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão


sexta-feira, 21 de junho de 2019