sábado, 31 de julho de 2010

Felipe Tosso e seus Grey Single Block

Meninas e meninos,
Em recente encontro num almoço muito descontraído realizado no ótimo Skye, restaurante do Chef Emannuel Bassoleil, oportunidade que me foi proporcionada pela eficiente e linda amiga Alessandra Battochio, da CH2A Comunicação, assessora da Cantu Importadora, e em seu nome, onde fomos, eu vários amigos jornalista de expressão, brindados com a empolgada presença de Felipe Tosso, enólogo chefe da Viña Ventisquero, que explicou alguns detalhes sobre a linha Grey, não sem antes falar um pouco sobre a Ventisquero.
Viña Ventisquero, liderada por uma equipe jovem, criativa e empreendedora, iniciou sua produção em 1998, quando o empresário Gonzalo Vial decidiu investir no setor vinícola. Com o slogan “Um passo além”, a empresa se propôs a fazer vinhos de alta qualidade, vanguardistas e modernos através de 3 linhas: Ventisquero, Yali e Ramirana.
A filosofia continua, e atuando em consonância com as melhores técnicas vitivinícolas, não se deixam esquecer do meio ambiente, onde a Ventisquero é a primeira vinícola chilena que compensa voluntariamente emissões de CO2 nos transportes de seus vinhos por meio de uma aliança com a organização inglesa – Climate Care – que investe em projetos que geram reduções de CO2.
Degustamos da linha Grey, os rótulos Premium da vinícola, que acabam de ter mudanças, e a safra 2008 que chega ao mercado em Novembro, segue o conceito de Single Block, denominação dos terroirs mais significativos por expressarem suas melhores particularidades e expressividade, e o Brasil será o primeiro país a receber os novos Grey, todos com rótulos modificados e assinados por Felipe Tosso: Chardonnay; Merlot; Carmenère; Syrah e Cabernet Sauvignon.
Falar sobre o Grey Chardonnay, para mim, que convidado a dar meu depoimento em vídeo sobre o vinho, já o exaltara, é “chover no molhado”, apesar de que o vinho melhorou bastante do final do ano para cá, repousando nas garrafas e está ainda mais agradável e complexo.
Particularmente, o que mais me agradou foi o Cabernet Sauvignon, que leva na composição 10% de Syrah.
Dos vinhedos do Valle do Maipo, este vinho é fermentado em inox com temperatura controlada, tem uma cuidadosa pré-fermentação a frio e passa 16 meses afinando em barricas francesas.
No olfato frutas bem maduras, e a presença da madeira, mas sem ofender.Especiarias várias, como canela e cravo aparecem com o tempo, provavelmente devido à Syrah, em boca é equilibrado em taninos, que presentes deixam sua marca, álcool de 14,5% e acidez notável, o tornando fácil em harmonizações enogastronômicas, e com longa persistência, nos deixa prontos ao próximo gole.
Do cardápio, sempre ótimo do Emmmauel, servido com a supervisão mais que eficiente e correta do Wellington Melo, Ger de A&B, e sommelier dos mais destacados, um item não me sai da memória até agora: Burrata Tradicional Italiana, que é uma mozzarela de búfala ligeiramente defumada, com uma casquinha mais consistente por fora, mas úmida por dentro, que é coberta com raspas de limão Siciliano, azeite trufado e que ficou ótima com o Cabernet, creio que também devido a sua parte de Syrah.
Quem importa os vinhos da Viña Ventiquero é a Cantu, cujo lema é Cantu importa para você.
SAC 0300.210.1010
http://www.cantu.com.br/
Até o próximo brinde !

Álvaro Cézar Galvão

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Vinea e Tedeschi, a união de duas casas apaixonadas pelo que fazem!

Meninas e meninos,
Semana passada em almoço proporcionado pela importadora, loja, boutique Vinea, fomos eu e um grupo de amigos dos vinhos, apresentados a uma linha de vinhos que a Vinea está importando da Itália, da região do Vêneto.
TEDESCHI, considerada uma das melhores e mais prestigiadas produtoras do Vêneto. Desde 1854 a família tem se dedicado à vitivinicultura no Valpolicella, agregando valor e experiência invejáveis aos seus vinhos.
Degustamos os seguintes vinhos:
Valpolicella DOC Clássico Superior 2006
Capitel Dei Nicalo Appassitamento Breve Valpolicella DOC 2005
Capitel San Rocco Rosso Valpolicella DOC Clássico Superiore Ripasso 2005
Amarone Della Valpolicella DOC Clássico 2004
Capitel Monte Olmi Amarone Della Valpolicella Clássico 2004.
Todos eles muito elegantes e corretos, mas o que me chamou muito a atenção, foi mesmo o
Capitel San Rocco Rosso Valpolicella DOC Clássico Superiore Ripasso 2005
30% Corvina
30%Corvinone
30% Rondinella
10% distribuídos entre Rossignola; Oseleta; Negrara e Dindarella.
Passa por barril por 24 meses, com frutas em abundância no olfato, e confirmadas em boca, com toques de torrefação e leve lácteo, que creio serem da madeira, tem ótima acidez e taninos resolvidos com 14% de álcool que não aparece nem no olfato e nem no palato. Vinho para ser degustado já e que ainda aguenta bem alguns anos de guarda.
O almoço ficou à cargo da chef Elis Sampaio, que deu um show ao longo da confraternização, mas não posso deixar de falar do seu prato principal:
Polenta mole com molho de linguiça Toscana, guarnição de funghi porcini, shitake e arroz selvagem, todos ao perfume de tartuffo bianco.
Ousadia de incluir dois amidos, o arroz e a polenta, e que deu muito certo, coisas de chef, pois as texturas são totalmente distintas!
Elis Sampaio
www.galligastronomia.com.br
Vinea
www.vinea.com.br
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

Comunidade Coral Luther King


Meninas e meninos,
Graças a Deus, tive oportunidades, e nunca as dispensei, de atuar em múltiplas atividades na área cultural, e uma delas, o canto coral, ao qual me entreguei de corpo e alma no final dos anos 60 e durante os anos 70, me proporcionou este sentimento gregário que trago muito forte em mim até hoje.
Vários corais e maestros dos mais renomados fizeram parte da minha vida de adolescente, mas um coroal, o qual ajudei a fundar, pois estive lá desde a primeira reunião para forma-lo, e daí por diante por um período longo, será agora homenageado com a Salva de Prata da municipalidade.
Música faz parte do universo, e nós, como parte deste mesmo universo ressoamos em maior ou menor harmonia, e eu em particular, continuo no mesmo tom harmônico dos meus 16/17 anos de idade.
“Por iniciativa do vereador Eliseu Gabriel, a Câmara Municipal de São Paulo decreta e promulga o seguinte decreto legislativo:
“Art. 1º Fica concedida Salva de Prata ao Coral Luther King, fundado pelo Maestro Martinho Lutero Galati de Oliveira, pela maravilhosa maneira de difundir a cultura através da música.”
O recebimento da honraria “Salva de Prata” acontece no mesmo dia em que seu fundador, o Maestro Martinho Galati de Oliveira, recebe o Título de Cidadão Honorário Paulistano. O reconhecimento da contribuição dos serviços prestados à cultura de São Paulo através dos 40 anos de trabalho ininterrupto do Coro Luther King muito orgulha todos os que integraram e ajudaram a desenvolver as mais diversas formações do grupo ao longo dessas últimas quatro décadas. Milhares de vozes ajudaram a escrever importantes páginas da história da música coral brasileira contadas e cantadas sob a marca do trabalho do “Coro Luther King”.
Uma série de concertos e leituras especiais de clássicos da literatura coral mundial marcam a abertura das comemorações deste 40° aniversário”.

Um pouco do coral:

A Comunidade Coral Luther King nasceu em novembro de 1970 fundada por Martinho Lutero, reunindo um grupo de pessoas de diferentes classes sociais, cores e credos, com o objetivo de expressar a música coral no seu sentido mais amplo e abrangente, cantando a cultura brasileira e a dos povos que contribuíram para sua formação, convencida que a prática coral colabora para um maior desenvolvimento social dentro dos conceitos de paz, liberdade e igualdade. Baseado nessas idéias o Coral Luther King viveu estes 40 anos colaborando ativamente para a construção do canto coral no Brasil, realizando música do passado e do presente, promovendo externamente o desenvolvimento, a difusão da literatura coral brasileira e internacional e, internamente, a reflexão e o crescimento de seus integrantes.
Muitos já passaram pelo "King" e dele sairam motivados pela dedicação ao estudo e à performance: professores, maestros, cantores, instrumentistas ou simplesmente integrantes, que foram para outras atividades profissionais, ou voltaram à elas. Alguns tornaram-se personagens de destaque no cenário musical brasileiro: Celine Imbert, Regina Lucatto, José Palomares, Elisa Zein, Lutero Rodrigues, José Ferraz, Luis Marchetti, Luis Antonio.
Não posso aqui escrever todos os nomes dos amigos com os quais convivi, pelo receio de omitir alguns, mas me lembro de todos até hoje!
Coral Luther King
www.lutherking.art.br
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Notturno dei Calanchi o Pinot Nero de Noemia D’Amico


Meninas e meninos,
Um vinho que degustei no Encontro Mistral 2010 e que não me saiu mais da lembrança, é o Pinot Nero Notturno dei Calanchi 2006 da vinícola D’Amico.
Provei alguns de seus vinhos, como o Seiano Bianco IGT 2009, um assemblage de Sauvignon Blanc, Chardonnay e mais 5 variedades locais, o Seiano Rosso, com Merlot e Sangiovese, mas realmente o que mais me chamou atenção foi o Notturno, um Pinot Nero 100%.
Noemia D’Amico é brasileira e casada com Paolo D’Amico, fazem seus vinhos na região do Lazio, próxima a Roma.
Não pense que poderá compará-lo com os Pinot Noir, borgonheses ou do novo mundo, pois sua estrutura é diferente, com algum floral e frutas, tem corpo e é macio em boca, com álcool de 13,5% bem integrados com acidez, é um bom vinho para harmonizações com peixes de couro, risotos de codorna, de mariscos e até carnes mais leves como a de lombo de porco.
Creio também que massas com molhos vermelhos não muito encorpados e nem muito condimentadas fique bem.
http://www.mistral.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

terça-feira, 27 de julho de 2010

Ministros da Agricultura e Desenvolvimento Agrário recebem lideranças do setor vitivinícola nesta terça em Brasília


Meninas e meninos,
Gostaria de postar sobre os belos vinhos e gastronomias que tenho degustado, sobre os lugares lindos onde as parreiras estão situadas, sobre nossos vinhos Brasileiros que estão melhorando, mas...
Nem bem todos nós que vivemos e citamos os vinhos cotidianamente demos noticias sobre o crescimento fantástico nas vendas do suco de uvas natural em nosso país, já de outro lado, vemos ações sendo articuladas para que este incremento que fortalece principalmente o pequeno produtor seja jogado no lixo.
Parece que realmente o Brasil é e será sempre o país do futuro, nunca chegando a ser o país do presente.
Vamos torcer para que o IBRAVIN e outras associações e movimento ligados ao setor possam de impor contra.
Vejam o que recebi da assessoria de imprensa com referência ao assunto.

Setor entregará documentos manifestando a contrariedade na liberação de importação de suco de uva concentrado a granel da Argentina

Uma comitiva do setor vitivinícola gaúcho estará em Brasília, nesta terça-feira (27), em audiência com os ministros da Agricultura, Wagner Rossi, e do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, para solicitar a permanência da proibição de importação de suco de uva concentrado a granel, destinado à industrialização, vindo da Argentina. Carlos Raimundo Paviani (diretor-executivo do Ibravin), Arnaldo Passarin (presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Viticultura, Vinhos e Derivados), Benito Panizzon (presidente da Agavi), Raimundo Bampi (Comissão Interestadual da Uva) e José Carlos Estefenon (conselheiro da União da Brasileira de Vitivinicultura) serão os representantes de vinte mil famílias de viticultores gaúchos e de mais de 700 vinícolas familiares de micro e pequeno porte, responsáveis por mais de 100 mil pessoas.

Segundo Arnaldo Passarin, o pedido aos ministros é uma ação preventiva, ante as reiteradas investidas do governo argentino junto ao governo brasileiro, no sentido de se permitir a importação de mosto concentrado (suco concentrado de uva) a granel. “Estamos alarmados e angustiados com esta possibilidade, que, se confirmada, será um desastre para a cadeia produtiva vitivinícola gaúcha e brasileira”, destaca o presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Viticultura, Vinhos e Derivados.

“Não se trata de uma discriminação e sim de uma necessária preocupação de proteger um setor frágil e ainda em formação”, argumenta o presidente da Agavi, Benito Panizzon. Nos documentos que serão entregues aos ministros da Agricultura e Desenvolvimento Agrário, serão citados quatro argumentos principais contra a importação a granel do mosto concentrado argentino pelo Brasil. São eles: 1) fatores de ordem jurídica: a vedação legal; 2) fatores de ordem sócio-econômica; 3) fatores relativos à concorrência desleal: subsídios aos produtores argentinos; e 4) fatores relativos ao abastecimento do mercado interno.

“Esta justa reivindicação, se aceita pelo governo brasileiro, permitirá a continuidade do processo de crescimento e desenvolvimento da vitivinicultura brasileira, sob pena de levar o setor a um colapso total e sua integral sucumbência, com conseqüências sociais funestas em toda a cadeia produtiva, com mais de 100 mil pessoas atingidas pelo êxodo rural e desemprego”, afirma o diretor-executivo do Ibravin, Carlos Paviani.

Oportunidades
O mercado de suco de uva tem crescido a uma média de 15 a 20% por ano, sendo que os sucos naturais (com 100% da fruta) têm incremento ainda maior, ao redor de 40%. “Toda a produção tem sido absorvida, o que leva as empresas a apostarem nesse produto”, comenta o diretor-executivo do Ibravin, Carlos Raimundo Paviani. Em dois anos, a comercialização de suco de uva 100% natural aumentou 86% no Brasil, passando de 13,7 milhões de litros em 2007 para 25,5 milhões de litros em 2009. A produção de suco de uva do tipo integral/natural no Rio Grande do Sul foi de 18,3 milhões de litros em 2008. Nos anos de 2001 e 2002, a produção era de 2,8 milhões de litros. Em 2003, 3,5 milhões de litros. Em 2004, 4 milhões; 2005, 6 milhões de litros; e 2006, 8,6 milhões de litros de suco de uva 100% natural.
A demanda crescente pelo suco de uva 100% natural está modificando a realidade no campo. No ano passado, 45% da safra de uvas comuns (americanas ou híbridas) colhida no Rio Grande do Sul, estado responsável por cerca de 90% da produção brasileira, foi destinada para a produção de suco. Na safra de 2010, este número foi ainda maior, superando os 60% da destinação das uvas comuns para produção de suco. Nos anos anteriores, a média ficava em 30%. “Isso se deve à crescente aceitação dos consumidores ao suco de uva, especialmente o 100% natural, que não contém adição de água nem açúcar”, avalia Paviani.
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

segunda-feira, 26 de julho de 2010

HISTÓRICO – ONDE TUDO COMEÇOU


Meninas e meninos,
Para fazer jus ao que vemos, nós que trabalhamos com o vinho todos os dias, o IBRAVIN, com o teste cego que já comentei, extraiu uma definição de enófilo bem humorada, baseada nos resultados do teste:
“Enófilo: adj. homem e mulher que gostam de vinho. Tendem a ter olfato apurado e paladar aguçado. No Brasil, a espécie apresenta comportamento peculiar: no seu habitat, pedem vinho importado".

Isso se explica pelo fato dos brasileiros consumirem 80% de vinhos de outros países e apenas 20% de rótulos nacionais. Curioso é que o mesmo percentual foi gerado pela degustação de vinhos brasileiros, que foram confundidos com importados por 80% das pessoas ouvidas.
Conclusão: às cegas, o preconceito contra o produto verde-amarelo some e a qualidade dos nossos vinhos é comparada a de tradicionais países produtores, como França, Itália, Portugal, Chile e Argentina.
Vejam novamente no site abaixo
http://www.saca-rolhas.com/2010/07/enofilo.htm

Para relembrar aos que sabem, e para mostrar aos que ainda não sabem, no Brasil temos um consumo muito baixo, cerca de 2litros/hab/ano, consumo total de vinhos, considerando-se aí os vinhos de mesa, que chegam a quase 90% deste índice.
Este quantitativo em litros pode ser facilmente elevado se todos prestarmos mais atenção ao vinho, principalmente aos vinhos finos!
Um pouco de História, que nos foi enviada pela assessoria de imprensa do IBRAVIN.

O cultivo de uvas no Brasil começou junto com o nascimento do País. Descoberto em 1500, o “Monte Pascoal” demorou 11 anos até ser batizado de Brasil, nome inspirado na árvore chamada “pau-brasil”. Mas foi somente em 1530, com a vinda de uma expedição colonizadora comandada por Martin Afonso de Souza que o Brasil realmente passou a existir para a coroa portuguesa e para o mundo. Foi nesta data que, de fato, começou a ser contada a história do Brasil, junto com a primeira página da produção de uvas e vinhos verde-amarelos. As idas e vindas desta saga lembram o roteiro de um drama.
Foi o próprio Martin Afonso de Souza que trouxe as primeiras mudas de uvas aos trópicos. Em 1532, as primeiras videiras foram plantadas por ele na Capitania de São Vicente (região sudeste do País). As variedades de uva originárias de Portugal e Espanha eram da qualidade Vitis vinifera, próprias para a produção de vinhos. As tentativas de cultivo, contudo, não frutificaram, devido ao clima e solo das regiões sudeste e nordeste onde foram inicialmente introduzidas. Brás Cubas, fundador da cidade de Santos, também tentou implantar suas videiras, mas igualmente não teve sucesso.
Um novo impulso ocorreu com a chegada dos Padres Jesuítas, em 1626, à região das Missões, e dos imigrantes alemães, que trouxeram castas européias e obtiveram bons resultados no Vale do Rio dos Sinos, no Rio Grande do Sul.
As tentativas de implantar uma produção de uva e vinho seguiram até Portugal proibir, em 1789, o plantio de videiras no Brasil. Com claro objetivo de proteger a sua produção de uvas, os portugueses acabaram inibindo completamente o cultivo e comercialização de vinho no País. A vitivinicultura brasileira permaneceu longos anos como uma atividade privada e doméstica.
A vontade de produzir vinhos, porém, não ficou adormecida. Em 1840, o comerciante Thomas Master trouxe videiras americanas, das espécies Vitis labrusca e Vitis bourquina (variedades Concord e Isabel, hoje a mais plantada no RS), e iniciou o plantio na Ilha dos Marinheiros, em Rio Grande.
Aliás, as videiras de origem americana, principalmente as cultivares de Vitis labrusca, estão no centro da vitivinicultura brasileira. O maior sucesso foi atingido pela “Isabel”, como uva para a elaboração de vinho, e “Niágara Branca” e “Niágara Rosada”, como uvas de mesa.
Marco histórico
O ano 1875 é simbólico para a vitivinicultura brasileira. Foi nesta data que desembarcaram no Brasil milhares de imigrantes italianos, carregando na bagagem a esperança de uma vida melhor no novo mundo, como também videiras recolhidas da região do Vêneto, na Itália.
Além das vinhas, os italianos trouxeram a sua cultura de produção e consumo de vinhos. As raízes deste modo de viver, em torno da uva e do vinho, se disseminaram rapidamente pela serra gaúcha. Contudo, mais uma vez, o desenvolvimento da vitivinicultura brasileira foi interrompido pelo ataque de doenças, que dizimaram grande parte das videiras plantadas.
A alternativa foi procurar uma variedade mais resistente. E a cepa Isabel, amplamente cultivada pelos imigrantes alemães no Vale do Rio dos Sinos, foi a saída encontrada para a retomada e o desenvolvimento do plantio de uvas no Estado e, posteriormente, em outras regiões do País. A uva Isabel é a base da viticultura brasileira desde o final do século 19 até hoje.
O surgimento de remédios (fungicidas sintéticos) para controlar o ataque de fungos, na metade do século 20, permitiu a retomada do cultivo de videiras européias, sobretudo no Rio Grande do Sul, paralelamente à difusão da uva “Itália”, em São Paulo.
Virada – modernização
A década de 80 representa uma virada na produção de vinho no Brasil. É a partir deste período que começa a ocorrer a reconversão de vinhedos (troca do sistema latada por espaldeira), passando ao cultivo de variedades européias da espécie Vitis vinifera – base para a elaboração de vinhos de alta qualidade. É nesta época que começa uma efetiva profissionalização do plantio e das técnicas enológicas nas vinícolas.
No início do século 20, a atividade passa a ter um foco comercial. Outras regiões passam a ter importância na produção de vinhos do Brasil, como o Vale do São Francisco, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e novas fronteiras no principal pólo da vitivinicultura nacional, o Rio Grande do Sul.
O crescimento da qualidade é notório nos últimos 15 anos da produção brasileira de vinhos, com destaque reconhecido internacionalmente para a elaboração de espumantes no Vale dos Vinhedos.
A adaptabilidade, a persistência e a coragem são características presentes em toda a história da viticultura brasileira. E dão a certeza de que estamos apenas no começo de uma obra repleta de bons frutos.
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

sábado, 24 de julho de 2010

ALMOÇO- DEGUSTAÇÃO VERTICAL DOS VINHOS CENIT COM A PRESENÇA DO ENÓLOGO SERGIO CUADRA

Meninas e meninos,
Em almoço, onde estivemos reunidos jornalistas e colunistas que escrevem sobre vinhos, as eficientes e lindas meninas da ProPop, Fernanda Fonseca e Solange Guarino, que em nome da Importadora Decanter, com as presenças dos amigos Adolar Herman e César França, fomos apresentados ao enólogo chefe da Caliterra, Sergio Quadra, para anos fazer conhecer a linha de vinhos ícone Cenit, acompanhado de um almoço na Churrascaria Fogo de Chão do meu irmão Arri Coser.
A Caliterra nasceu em 1996 da parceria de duas personalidades do mundo do vinho; do Chile, Eduardo Chadwick, da Errázuriz e da Califórnia, Robert Mondavi, em 2004 a Caliterra tornou-se somente Chilena, com a compra da parte norte-americana.
Conhecemos as safras:
1-2005: Um blend com 60% Cab Sauvignon; 30% Malbec e 10% Petit Verdot, de 14,8% de álcool, com frutas muito maduras e algo mineral, floral aparecendo discreto, com passagem de 18 meses por barricas novas de carvalho (75% Fr e 25%americanas) que em minha opinião, tanto pelo tempo de garrafa que já deu mais complexidade ao vinho que envelheceu dignamente, como pelo corte foi o mais completo tanto no olfato como em boca.
"Em 2008, o Cenit 2005 foi colocado à prova numa degustação às cegas ao lado de nomes famosos chilenos como Clos Apalta, Don Melchor e Casa Real. É também ao lado de vinhos consagrados do velho mundo, como Château Haut Brion, Sorì Tildin, Sassicaia e Vigneto Bellavista Castelo di Ama, entre outros. A degustação aconteceu em Zurique, com sommeliers, críticos e representantes do métier do velho continente. O Cenit bateu todos os seus concorrentes chilenos e foi posicionado em quarto lugar entre os grandes vinhos europeus. Na safra de 2006, foi avaliado com 93 pontos por Robert Parker"
2- 2006: Um blend com 53% Cab Sauvignon; 27% Malbec e 20% Petit Verdot, de 15% de álcool, um pouco floral, com acidez mais presente, empireumáticos mais evidentes, provavelmente devido à madeira americana, com passagem de 18 meses por barricas novas de carvalho (61% Fr e 39% americanas).
3-2007: Um blend com 41% Cab Sauvignon; 39% Malbec e 20% Petit Verdot, 14% de álcool, com passagem de 18 meses por barricas novas de carvalho (90% Fr e 10% americanas), primeira colheita usando-se o mapeamento via satélite, que garante o ponto ideal de amadurecimento da fruta, muito frutado e complexo, o floral aparece um pouco mais e os empireumáticos mais sutis.
4-2008: Um blend com 15% Cab Sauvignon; 33% Malbec e 33% Petit Verdot, e 19% Carmenere, 14,5% de álcool. Por pouco que seja a Carmenere, e a diminuição da Cab Sauvignom, deram a este vinho um outro afinamento, e apesar de ainda muito jovem, demonstra que poderá vir a ser o mais celebrado destas amostras degustadas, depois de alguns anos de envelhecimento na garrafa.
Foi-nos proposta uma brincadeira que foi “achar o melhor corte para a safra 2009”.
Propusemos, eu e meus queridos, Cristiana Couto e Ennio Federico, que compusemos o trio vencedor, eleito pelo enólogo e pelos presentes, o seguinte corte.
50% C.Sauvignon
20%Malbec
10% Carmenere
20% Petit Verdot
Quem viver verá: Quem sabe o rótulo poderá vir com a sigla ACE em 2009!
Decanter
http://www.decanter.com.br/
Até o próximo brinde !

Álvaro Cezar Galvão

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Bodega Francois Lurton


Meninas e meninos,
A Importadora Barrinhas, que em São Paulo, é o Gregório e equipe que atendem, a amiga Cristina Neves, sinônimo de bom trabalho em assessoria, junto ao Cláudio Moreira, diretor, nos apresentou em um almoço degustação os vinhos da Bodega François Lurton, com uma palestra sobre os vinhos com o próprio Farncois Lurton.
François é representante da quinta geração de uma família de vitivinicultores, que desde 1897 está representada no cenário, com vinhos de alta qualidade.
François possui vinhedos em 5 países dos dois hemisférios, procurando sempre a qualidade e máxima expressão que estes terroirs possam passar aos seus vinhos.
Em movimentado almoço no Cantaloup, degustamos 5 dos vinhos da bodega.
1-Reserva Pinot Gris 2009 da região do Vale de Uco-Finca Chacayes com 13,5% de álcool, cor bem clarinha, límpida e brilhante, leve mineral no olfato, frutas frescas e um toque abaunilhado que nada tem a ver com passagem por barril, mas talvez pelo descanso em sur lies. Na boca confirma frutas e floral(mel).
Bom vinho, com bom frescor.
2-Gran Lurton Corte Friulano 2009-Finca Chacayes 13,1% de álcool, um blend de 85% Tokay Friulano, e os outros 15% divididos entre as variedades Pinot Gris; Chardonnay; Torrontés e Viognier.
Sua cor mais amarelo dourada, também mostra no olfato o mineral e a baunilha, esta já resultante da fermentação e descanso em barris por 8 meses. Em boca frutas doces incluindo toques cítricos, floral (mel), de um frescor com acidez ótima, persistente e com retro-olfato agradável.
Excelente vinho para nosso clima, bom para harmonizações com queijo de cabra, vitela, peixes pouco gordurosos grelhados, e ousando um pouco, sopas frias.
Meu preferido da mostra até por ser branco, que adoro, e combina com nosso clima.
3-Gran Lurton Cab Sauvignon 2007 com 85% de Cab Sauvig e 15% de Malbec, é um vinho vigoroso, com 13,8% de álcool que passa por afinamento em barris 80% Francês e 20% Americanos, de primeiro e segundo usos por período de 14 meses. Frutas no olfato e em boca marcantes e com ótima acidez, mostra certo frescor (talvez menta) no olfato.
4- Piedra Negra Malbec 2004 com 14% de álcool, passa em barricas 50% Francesas novas por aproximadamente 17 meses. As Malbec têm nesta parcela, alguma quantidade de Côt( a original Malbec Francesa), talvez daí o certo teor mineral deste vinho.,Engarrafado sem clarificação e filtração, e que ainda com taninos presentes agüenta uns bons anos em garrafa.
5-Chacayes Unique Terroir um Malbec, já que tem 80% (sendo que 5% são de Côt) desta cepa, mas que leva no corte 18% de Cab Sauvignon; 2% Bonarda.
Com 14% de álcool passa 24 meses em barricas novas francesas e não é engarrafado sem filtrar.
Importadora Barrinhas
http://www.barrinhas.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cezar Galvão

quarta-feira, 21 de julho de 2010

CLAUDIO SCHLEDER LANÇA LIVRO SOBRE VINÍCOLAS DE CHARME


Meninas e meninos,
Dia 1º deste mês, meus amigos Cláudio Schleder, Renato Frascino, Sonia Denicol e Patrícia Jota, lançaram um delicioso e lindo livro com o Título de Vinícolas de Charme.
Estava confirmado que iria abraçá-los ao vivo neste dia, mas uma incrível e repentina gripe, com tosse e inflamação de garganta me pegou de jeito, e eu preocupado com minhas condições olfativas e gustativas, pois estava de partida para uma avaliação internacional de vinhos, acabei não podendo comparecer.
Perdi, sei bem, um momento impar de charme, sofisticação, e amizade, mas, a vida às vezes nos reserva estas surpresas.
Passados 20 dias, ontem com mais calma, folheei o livro, que está bárbaro. Um visual incrível, bem escrito e elegante. Daquelas obras que costumamos deixar na sala de visitas, em cima ma mesinha de centro!

O livro Vinícolas de Charme traz 50 vinícolas selecionadas do Cone Sul (Argentina, Chile, Brasil e Uruguai) que foram classificadas pelos critérios de arquitetura, terroir, tecnologia, vinhos ícones, pousadas, cursos de vinho e sustentabilidade.
As vinícolas foram classificadas por cachos de uva, em vez de estrelas, como acontece com os restaurantes. Assim, quem ganhou cinco cachos, é considerado Top Five, ou seja, está entre as cinco melhores do país. Quatro cachos remetem as vinícolas de charme, três são para as vinícolas boutique, dois para vinícolas com diferencial e com um cacho, as recomendadas.
O livro editado por Claudio Schleder da Om Com Comunicação e com consultoria enogastronômica de Renato Frascino possui 180 páginas e é ilustrado com fotos das regiões de viticultura dos quatro países apresentando ainda matérias sobre uvas, terroir, tipos de climas, harmonização e gastronomia.

Editor e diretor-Cláudio Schleder
Consultor enogastronômico-Renato Frascino
Redação-Pátricia Jota e Sônia Denicol
Direção de Arte-RL Markossa
Informações com Cláudio Schleder e Danielle Vieira
11 3078. 6878
Locais de Venda:
Livraria da Vila do Shopping Cidade Jardim
Livraria D Dock News (Haddock Lobo em frente ao Rodeio)
Empório Santa Maria
Banca Jardim Europa
Revistaria da Amauri
Loja Decanter da Joaquim Floriano
Loja Zahil da Manuel Guedes
Na própria editora pelo telefone 3078.7716
O preço é R$ 90,00.
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

terça-feira, 20 de julho de 2010

PREMIAÇÃO COMPLETA DO V CONCURSO INTERNACIONAL DE VINHOS DO BRASIL


Meninas e meninos,
Segue abaixo a listagem completa de premiações no V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, realizado pela ABE-Associação Brasileira de Enologia, entre os dias 05 e 08 de Julho deste ano, em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, nas dependências do Spa do Vinho.
Seu presidente Chistian Bernardi, o vice-presidente Daniel Dalla Valle, os 1º e 2º tesoureiros, Dario Crespi e Dirceu Scottá, 1º e 2º secretários Luciano Vian e Taís Kein e demais diretores da ABE, sintam-se parabenizados pela organização e pela introdução da informatização no lançamento de notas e cômputo geral, que funcionou muitíssimo bem, dando rapidez e segurança ao concurso.

PREMIAÇÕES POR PAÍS NA SEGUINTE ORDEM:
País
Empresa
Produto
Safra
Medalha

ALEMANHA Genossenschaftskellerei Hellbrenn - Erlenbach - Weinsberg
Württemberg Muskateller 2009
Ouro
Heuchelberg Weingärtner -Württemberg Cabernet Dorsa Trocken 2007
Prata
Weingärtner Flein - Talhein -Fleiner Altenberg Württemberg Riesling Trocken
Prata
Weingut Anselmann- Anselmann Chardonnay Spatlese Trochen in Barrique Gereift 2008
Ouro
Weingut Anselmann- Anselmann Gewurztraminer Spatlese 2009
Ouro
ARGENTINA
Bodega Colomé S.A.- Colomé Estate Malbec 2008
Prata
Bodegas y Viñedos Alta Creación S.A.- Alta Creación Malbec Premium 2007
Grande Ouro
Bodegas y Viñedos Carmine Granata S.A.- Nicolás Granata Malbec Edicíon Numerada 2007
Prata
Chaves Oliveira Comércio Ltda- Chaves Oliveira Reserva Malbec 2007
Ouro
Divina Botella Importadora de Vinhos-Don Cristobal Oak Reserva Malbec 2008
Prata
GMT Importação e Exportação Ltda-Obelisco Cabernet Sauvignon 2008
Ouro
La Charbonnade Vinhos Finos-Bodegas Cavas del 23 - Beviam Syrah 2006
Ouro
La Charbonnade Vinhos Finos-Bodegas Cavas del 23 - Beviam Reserva Cabernet SauviG 2006
Prata
Viña Las Perdices-Las Perdices Reserva Bonarda 2008
Ouro

AUSTRÁLIA
Tyrrell's Wines-Rufus Stone Heathcote Shiraz 2008
Ouro

ÁUSTRIA
Erich Scheiblhofer Gmbh-Jois Blaufrankisch 2007
Grande Ouro
Erich Scheiblhofer Gmbh-Scheiblhofer Shiraz 2008
Ouro

BRASIL
ABEGÊ Participações, Indústria e Comércio de Bebidas-Brandy Don Giovanni
Prata
ABEGÊ Participações, Indústria e Comércio de Bebidas-Don Giovanni Espumante Moscatel
Prata
ABEGÊ Participações, Indústria e Comércio de Bebidas-Stravaganzza Espumante Brut
Prata
Adega Chesini Ltda-Cave del Vêneto Espumante Moscatel 2010
Ouro
Adega Chesini Ltda-Chesini Gran Vin 2005
Ouro
Adega Chesini Ltda-Adega Chesini Reserva Especial Cabernet Sauvignon 2005
Prata
Adega Chesini Ltda-Cave Del Vêneto Espumante Champenoise Brut
Prata
Antonio Dias Vinhos Finos Ltda-Antonio Dias Cabernet Sauvignon 2008
Prata
Boscato Indústria Vinícola Ltda-Boscato Reserva Merlot 2005
Ouro
Boscato Indústria Vinícola Ltda-Boscato Licoroso Branco
Prata
Boscato Indústria Vinícola Ltda-Gran Reserva Boscato Cabernet Sauvignon 2004
Prata
Boscato Indústria Vinícola Ltda-Reserva Boscato Gewurztraminer
Prata
Calza Júnior Indústria e Comércio de Vinhos Ltda-Calza Espumante Champenoise Brut
Ouro
Cantina de Vinhos Fabian Ltda-Gran Fabian 2005
Prata
Casa Geraldo Vinhos Finos-Casa Geraldo Destilado Cabernet Sauvignon / Merlot
Prata
Casa Geraldo Vinhos Finos-Casa Geraldo Espumante Moscatel
Prata
Casa Valduga Vinhos Finos Ltda-Casa Valduga Gewurztraminer 2010
Ouro
Casa Valduga Vinhos Finos Ltda-Casa Valduga Gran Reserva Chardonnay 2009
Prata
Casa Valduga Vinhos Finos Ltda-Casa Valduga Espumante Arte Brut 2008
Prata
Casa Valduga Vinhos Finos Ltda-Casa Valduga Espumante Brut 130 Anos 2009
Prata
Cia Piagentini de Bebidas e Alimentos-Boutique Reserva Prosecco Brut
Ouro
Cia Piagentini de Bebidas e Alimentos-Decima Gran Reserva Espumante Chardonnay Viognier Brut 2008
Ouro
Cia Piagentini de Bebidas e Alimentos-Boutique Espumante Brut
Prata
Cooperativa Vinícola Aurora Ltda-Conde de Foucauld Espumante Brut Branco
Prata
Cooperativa Vinícola Aurora Ltda-Conde de Foucauld Espumante Brut Rosé
Prata
Cooperativa Vinícola Aurora Ltda-Marcus James Chardonnay Demi-Sec
Prata
Cooperativa Vinícola Garibaldi Ltda-Garibaldi Espumante Moscatel
Ouro
Cooperativa Vinícola Garibaldi Ltda-Raschiatti Merlot 2008
Prata
Cooperativa Viti-Vinícola Aliança Ltda-Santa Colina Espumante Brut
Ouro
Cooperativa Viti-Vinícola Aliança Ltda-Santa Colina Reserva Chardonnay 2007
Ourro
Cooperativa Viti-Vinícola Aliança Ltda -Santa Colina Chardonnay Estilo 2008
Prata
Cooperativa Viti-Vinícola Aliança Ltda-Santa Colina Espumante Moscatel
Prata
Domno do Brasil Indústria e Comércio de Bebidas Ltda-Alto Vale Espumante Natural Brut
Ouro
Domno do Brasil Indústria e Comércio de Bebidas Ltda-Ponto Nero Espumante Natural Brut
Ouro
Domno do Brasil Indústria e Comércio de Bebidas Ltda-Ponto Nero Espumante Moscatel
Prata
Domno do Brasil Indústria e Comércio de Bebidas Ltda-Ponto Nero Espumante Natural Extra-Brut
Prata
Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo S.A-Fino Espumante Peterlongo Privillege Demi-Sec
Ouro
Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo S.A-Peterlongo Privillege Espumante Brut
Ouro
Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo S.A-Peterlongo Privillege Espumante Moscatel
Ouro
Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo S.A-Peterlongo Presence Espumante Moscatel
Prata
Estabelecimento Vinícola Valmarino Ltda-Valmarino Cabernet Franc 10 Anos 2005
Prata
Estabelecimento Vinícola Valmarino Ltda-Valmarino Reserva da Família Tinto 2004
Prata
Estabelecimento Vinícola Valmarino Ltda-Valmarino Reserva da Família Tinto 2005
Prata
Estrelas do Brasil Comércio de Vinhos -Dall Agnol Superiore 2005
Grande Ouro
Estrelas do Brasil Comércio de Vinhos-Estrelas do Brasil Espumante Brut Charmat
Ouro
Estrelas do Brasil Comércio de Vinhos-Estrelas do Brasil Espumante Brut Champenoise
Prata
Guatambu Vinhos Finos Ltda -Rastros do Pampa Cabernet Sauvignon Premium
Prata
Indústria Vinícola La Cantina Ltda-La Cantina Espumante Brut 2009
Ouro
Indústria Vinícola La Cantina Ltda-La cantina Espumante Moscatel 2010
Ouro
Irmãos Molon Ltda-Mistela Reggio di Castela Branco 2004
Prata
Irmãos Molon Ltda-Pietro Felice Espumante Champenoise Brut 2008
Prata
Irmãos Molon Ltda-Reserva Pietro Felice Merlot 2008
Prata
Luiz Argenta Vinhos Finos Ltda-Luiz Argenta Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2005
Prata
Luiz Argenta Vinhos Finos Ltda-Luiz Argenta Gran Reserva Merlot 2005
Prata
Miolo Wine Group Comércio Importação Exportação-Miolo Reserva Cabernet Sauvig 2009
Ouro
Miolo Wine Group Comércio Importação Exportação-Quinta do Seival Castas Portugesas 2006
Ouro
Miolo Wine Group Comércio Importação Exportação-Almadén Sauvignon Blanc
Prata
Miolo Wine Group Comércio Importação Exportação-Miolo Cuvée Tradition Espumante Brut
2008
Prata
Sociedade de Bebidas Panizzon Ltda-Panizzon Moscato Giallo 2009
Ouro
Sociedade de Bebidas Panizzon Ltda-Panizzon Espumante Prosecco Brut
Prata
Sociedade de Bebidas Panizzon Ltda-Panizzon Reserva Cabernet Sauvignon 2007
Prata
Terrasul Vinhos Finos Ltda-Terrasul Espumante Moscatel
Prata
Vinhos Canção-Dom Coração Tannat 2008
Prata
Vinhos Finos Velha Cantina Ltda-Cave Antiga Espumante Moscatel
Ouro
Vinhos Finos Velha Cantina Ltda-Cave Antiga Espumante Champenoise Brut
Prata
Vinhos Monte Reale Ltda-Valdemiz Espumante Moscatel 2009
Prata
Vinhos Salton S/A Indústria e Comércio-Salton Volpi Cabernet Sauvignon 2008
Ouro
Vinhos Salton S/A Indústria e Comércio-Salton Espumante Brut
Prata
Vinhos Salton S/A Indústria e Comércio-Salton Espumante Brut Reserva Ouro
Prata
Vinhos Salton S/A Indústria e Comércio-Salton Flowers Demi-Sec
Prata
Vinícola Campestre Ltda-Zanotto Cabernet Sauvignon 2005
Prata
Vinícola Campestre Ltda-Zanotto Espumante Moscatel
Prata
Vinícola Campo Largo S.A-Baccio Espumante Moscatel
Prata
Vinícola Campos de Cima Ltda-Campos de Cima Espumante Brut
Ouro
Vinícola Dom Cândido Ltda-DC Dom Cândido Espumante Moscatel
Ouro
Vinícola Dom Cândido Ltda-DC Dom Cândido Reserva Tannat 2006
Ouro
Vinícola Dom Cândido Ltda-DC Dom Cândido Reseva Merlot 2008
Ouro
Vinícola Franco Italiano-Franco Italiano Espumante Moscatel
Ouro
Vinícola Franco Italiano-Censurato Cabernet Sauvignon 2007
Prata
Vinícola Gazzaro Ltda-Gazzaro Espumante Moscatel
Prata
Vinícola Geisse Ltda-Amadeu Espumante Brut 2009
Ouro
Vinícola Gheller Ltda-Gheller Insinuante Espumante Demi-Sec
Prata
Vinícola Góes & Venturini Ltda-Casa Venturini Reserva Tannat 2008
Ouro
Vinícola Góes & Venturini Ltda-Vívere Espumante Brut
Ouro
Vinícola Irmãos Basso Ltda-Monte Paschoal Espumante Brut
Prata
Vinícola Irmãos Basso Ltda-Monte Paschoal Espumante Moscatel
Prata
Vinícola Marco Luigi Ltda-Marco Luigi Reserva da Família Merlot 2005
Ouro
Vinícola Máximo Boschi Ltda-Máximo Boschi Speciale Chardonnay 2007
Prata
Vinícola Perini Ltda-Casa Perini Espumante Charmat Brut
Prata
Vinícola Perini Ltda-Jota Pe Moscato
Prata
Vinícola Perini Ltda-Perini Licoroso Branco
Prata
Vinícola Velho Amâncio-Garganta do Diabo 2005
Prata
Vinícola Viapiana Ltda-Via1986 Cabernet Sauvignon 2005
Ouro
Vinícola Zanella Ltda-Villa de Vinhas Merlot 2009
Ouro
Vinícola Zanella Ltda-Villa de Vinhas Cabernet Sauvignon 2009
Prata

CHILE
Magna Import-Emiliana Adobe Gewurztraminer 2009
Prata
Viña Luis Felipe Edwards-Luis Felipe Edwards Reserva Shiraz 2009
Ouro
Vinícola Geisse Ltda-El Sueño Carmenère 2006
Ouro

ESPANHA
Bodegas Peñafiel SL-Alba de Miros 2009
Prata
Bodegas Peñafiel SL-Miros de Ribera Crianza 2003
Prata
Bodegas Peñafiel SL-Miros Jovem Roble 2007
Prata

GRÉCIA
LPH Brasil Imp. e Exp. Com. Repr. de Produtos Alimentícios-Tsántali Mavrodaphne Cellar Reserve Tinto
Ouro

ISRAEL
Assaf Winery-Assaf Cabernet Sauvignon Reserve 2006
Ouro

PORTUGAL
Casa de Sarmento S.A-Casa de Sarmento Touriga Nacional 2005
Prata
Casa Ermelinda Freitas - Vinhos, Ltda-Casa Ermelinda Freitas Syrah 2008
Prata
Casa Ermelinda Freitas - Vinhos, Ltda-Dona Ermelinda 2009
Prata
Caves Vale do Rodo, CRL-Cabeça de Burro Tinto Reserva 2008
Prata
Caves Vale do Rodo, CRL-Porto Reccua Ruby Tinto
Prata
Cooperativa Agrícola Santo Isidro de Pegões Crl.-Adega de Pegões Alicante Bouschet 2008
Prata
Cooperativa Agrícola Santo Isidro de Pegões Crl.-Adega de Pegões Colheita Selecionada 2009
Prata
Cooperativa Agrícola Santo Isidro de Pegões Crl.-Fonte do Nico Light 2009
Prata
Enoport Exportação de Bebidas S.A-Devesa Escolha 2009
Prata
Qualimport - Quinta do Crasto-Quinta do Crasto Reserva Vinhas Velhas 2007
Ouro

URUGUAI
Almena S.A-Pueblo del Sol Tannat 2009
Prata
Antigua Bodega Stagnari S.A.-Osiris Reserva Merlot 2006
Prata
Antigua Bodega Stagnari S.A.-Ragazza Tannat 2007
Prata
Bouza Bodega Boutique-Bouza Monte Vide Eu 2007
Prata
Bouza Bodega Boutique-Bouza Tannat B6 Tinto 2007
Prata
Familia Gimenez Mendez-100 Años Cabernet Sauvignon Reserva Familiar 2008
Prata
Schettini-Schettini Liquori Fini Merlot 2007
Ouro

FOTO:Daniela Villar
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

segunda-feira, 19 de julho de 2010

DECANTER WINE SHOW REÚNE 73 PRODUTORES DE VINHOS DO MUNDO TODO EM QUATRO CAPITAIS BRASILEIRAS


Meninas e meninos,
Está chegando a hora de podermos mais uma vez degustar ótimos vinhos em uma mostra da Decanter, com 73 produtores e ou representantes das mais significativas vinícolas.

Com 73 produtores de vinhos de 13 países e cerca de 450 rótulos acontece, de 02 a 06 de Agosto, a Decanter Wine Show 2010. A feira itinerante, que já teve duas edições de sucesso, em 2006 e 2008, passará por quatro capitais brasileiras: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Florianópolis. Cerca de 60% dos nossos produtores estarão presentes para conversar pessoalmente com o público e colocar em degustação seus vinhos clássicos, além dos rótulos tops que a Decanter traz com exclusividade para o Brasil, informa Adolar Hermann, proprietário da Decanter.

Entre os produtores de renome confirmados para a feira estão Augusto Boffa (Pio Cesare), Guido Serio (San Fabiano Calcinaia), Sergio Zingarelli (Rocca delle Macìe), Tommaso Bussola (Bussola), Dario Pieropan (Pieropan), Gianni Menotti (Villa Russiz), Nicolo de Ferrari (Boscarelli), Paolo Bartolommei (Caprili), François Labet (Château de La Tour - Clos Vougeot), Laure Colombo (Jean-Luc Colombo), Ignacio Arzuaga (Arzuaga Navarro), Cornelius Dönnhoff (Dönnhoff), Günter Künstler (Künstler), Domingos Alves de Sousa (Alves de Sousa), Júlio Bastos (Dona Maria), Anselmo Mendes (Anselmo Mendes), Luís Lourenço (Quinta dos Roques) e Alberto Arizu (Luigi Bosca).
A Decanter Wine Show 2010 contará, ainda, com enólogos e representantes das vinícolas Grans-Fassian (Alemanha), Villa Raiano, Cesani, Vetluna, Arunda Vivaldi, Bedin, Michele Castellani, Renzo Masi, Le Case Bianche, Araldica, Pervini, Nicodemi (Itália), Alain Brumont, Domaine Lagrézzete, Despagne, Armagnac Delord, Cassis Briottet, Champagne Barnaut, Kriter e Sorevi (França), Conde de Vimioso, Warres, Altas Quintas, Quinta de Plansel e Quinta das Maias (Portugal), Peique, Abadal, Ramón Roqueta, Piñol, Ercavio, Gil Luna, PradoRey, Pago de Cirsus, Bodegas Muñoz - Artero, Luis Cañas e Raventós i Blanc (Espanha), Schild Estate e Kilikanoon (Austrália), Pendits (Hungria), Riglos, Viña Alicia, Callia, Colomé e Familia Schroeder (Argentina), Caliterra, El Principal, De Martino, Santa Inés, Villard e Terranoble (Chile), Bouza e Filgueira (Uruguai), Raka (África do Sul), Bermar Le Verre de Vin (Inglaterra) e, finalmente, Quinta da Neve (Brasil).

Locais e datas:
02/Agosto- Rio Janeiro: Hotel Sofitel- Av. Atlântica, 4.240, Copacabana
03 e 04/Agosto- S.Paulo: Hotel Gran Hyatt - Av. das Nações Unidas, 13.301
05/Agosto-Belo Horizonte: Buffet Catarina- Av. Raja Gabaglia, 3.080, Estoril
06/Agosto - Florianópolis: Majestic Palace Hotel - Av. Jornalista Rubens de Arruda Ramos, 2.746
A feira acontecerá das 16 h às 22h nas quatro capitais. O ingresso custará
R$ 180,00, com direito a um kit Decanter Wine Show e uma taça para vinho. Todos os vinhos, durante o evento, estarão com 15% de desconto.
Os ingressos devem ser adquiridos antecipadamente nas Enotecas Decanter:
Blumenau: 47 3326-0111
São Paulo: 11 3073-0500
Belo Horizonte: 31 3287-3618
Florianópolis: 48 3223-1500
Rio de Janeiro: 21 2286-8838
Decanter
http://www.decanter.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

sábado, 17 de julho de 2010

Villa Cioè-Você precisa conhecer


Meninas e meninos,
Estive a convite da eficiente e linda Lucia Paes de Barros, que assessora os proprietários da casa, para em um almoço com alguns amigos jornalistas, conhecer o Restaurante Villa Cioè.
A casa, um sobrado bem antigo, foi restaurada e ficou linda, aconchegante, e mais, a gastronomia mediterrânea, com a supervisão da Ana Soares, é de primeira, e sua carta de vinhos idem.
Não deixem de provar as defumações feitas lá mesmo, com ingredientes frescos e selecionados.
Pães diversos, todos feitos lá e assados no forno à lenha, patês como o de berinjela defumada, são um toque diferencial no menu bem variado.
Nos fundos um agradável ambiente bar, com toldo retrátil, para que nada atrapalhe os momentos de descontração e lazer.
Villa Cioè
R.Tupi, 564- Higienópolis
11 3662-1121
http://www.villacioe.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Viña Cobos - Paul Hobbs e Luis Barraud


Meninas e meninos,
Em recente degustação promovida pela Importadora Grand Cru, que contou com a presença de um dos mais conhecidos e respeitados winemakers, Mr Paul Hobbs juntamente com seu sócio no empreendimento Argentino Viña Cobos, Luis Barraud, foi-nos mostrado e descrito por ambos, uma amostra dos belos vinhos que a dupla faz nestes vinhedos, que tiveram a primeira vinificação em 1998, e que não atingiu os objetivos de qualidade esperados.
Imaginem que alguns anos depois, já com as burras vazias, as safras a partir de 2002 só lhes deram alegrias e qualidade.
Degustamos da linha Felino o Cabernet Sauvignon 2007, afinado em barris por 8 meses, e um vinho fácil de beber.
Também da mesma linha, o espetacular Chardonnay 2009, que usa leveduras selvagens, fermenta uma parte em barris e a outra, que fermenta em aço, usa aduelas.
Curiosamente os cachos não são desengaçados, resultando em um vinho equilibrado entre álcool (14,7), acidez e com a madeira das aduelas aparecendo levemente no olfato, dando um abaunilhado sutil e gostoso. Mineral aparece, e na boca explodem frutas cítricas, como lima da pérsia, abacaxi e um floral também no retro-olfato.
Além dos Felinos, degustamos os Bramare Cab Sauvig 2006 dos vinhedos Marchiori e de Lujan de Cujo, e o Malbec 2006, este sem sombra de dúvidas, em minha opinião, o melhor de todos do painel, passando por barris 18 meses, é bem escuro e encorpado, com algo de eucalipto e floral no olfato, e frutas super maduras na boca.
Vinhos espetaculares onde fiquei dividido entre o Felino Chardonnay e o Bramare Malbec, mas como em nosso país os brancos ainda são minoria, se tivesse que escolher, ficaria com ele.
Grand Cru
http://www.grandcru.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

quinta-feira, 15 de julho de 2010

PORQUE ME UFANO DE MEU PAÍS


Meninas e meninos,
A frase acima foi o título de uma redação que tive que fazer, quando ainda nos bancos escolares, já lá se vão anos atrás. Era a matéria de português, dividida em várias partes, e redação, leitura, análise sintática etc... , faziam parte do programa.
Digo isto, para comentar o Teste Cego que o IBRAVIN-Instituto Brasileiro do Vinho, realizou, como estratégia de marketing, durante a Expovinis deste ano em São Paulo e em um restaurante de Porto Alegre, com o resultado divulgado recentemente.
No vídeo, os consumidores provam vinhos sem conhecer os rótulos, e tentam adivinhar o país de procedência. Foram vinhos finos tintos Brasileiros, de oito vinícolas diferentes, e todos na faixa de preço de R$ 20,00 a R$ 30,00.
A maioria das respostas (80%) cita tradicionais países produtores de vinhos, como França, Itália, Argentina e Chile. Mas na verdade, como já sabemos agora, todos os vinhos são Brasileiros.
Não quero ser mais realista que o rei, degusto vinhos de todas as partes do mundo, e gosto do bom vinho, independente da sua nacionalidade.
Creio que todos também assim deveriam proceder, mas sei também que o preconceito e a falta de conhecimento sobre a nossa produção vitivinícolas, ainda é grande.
Não é só com o vinho Brasileiro que isto acontece, vejam o que uma boa parcela diz sobre os vinhos rosados, de qualquer origem, por exemplo.
Porque o Brasileiro não bebe mais vinhos brancos? Ou mesmo espumantes, já que o nosso clima é propício aos mesmos?
A amostragem apesar de pequena, é feita dentro de um universo que ao menos pretende saber um pouco mais e diz beber maior quantidade, pois dentro desta feira que é a maior da América Latina, o público alvo é quase todo ele, ao menos, interessado no assunto.
Precisamos ser mais engajados nas questões que colocam nossos produtos, sejam eles quais forem, em confronto com os importados, pois via de regra, o que é de “fora”, é melhor.
Será somente pelos preços de nossos vinhos que ainda são eles alijados do processo da busca e do desejo de consumi-los?
Excluídos de comparações, passam a ser coadjuvantes em um processo, onde hoje vemos a indústria vitivinícola com intercâmbio tecnológico neste mundo globalizado, onde nada é novo por muito tempo, e sim compartilhado, guardadas certas proporções e patentes é claro.
Não sou um ufanista por ser ufanista, mas me orgulho de termos andado na direção certa do progresso em muitas coisas, sejam elas na área agrícola(vitivinicultura é uma delas), na indústria de transformação, na engenharia, na medicina etc...Pena que em outras estejamos anos luz defasados.
Vejam o vídeo e tirem suas próprias conclusões.
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Chef Eudes Assis e o 3º aniversário do Seu Sebastião


Meninas e meninos,
Neste próximo dia 17/07 os meus amigos do Restaurante Seu Sebastião, Julia Dammamm, Paula Assis e com o Chef Eudes Assis, premiadíssimo, farão uma festança com pratos da culinária caiçara na releitura que só o Eudes para fazer, festejando o 3º aniversário.
O cardápio?
Vejam:
Menu 1
Entrada
Creme de palmitos com lagostins flambados na cachaça e caviar de taioba
Prato
Abadejo ao molho de caju com cuscuz de camarão e chips de inhame
Sobremesa
Torta mousse de limão cravo com couli de framboesa e cachaça

Menu 2
Entrada
Brusqueta de polvo com palmito pupunha, rúcula e pignoli
Prato
Robalo grelhado na manteiga de pistache com arroz de mariscos lambe-lambe
Sobremesa
Pão de ló ao Jerez com frutas frescas e creme de mascarpone
No welcome drink o Chef recebe os convivas com uma taça de espumante Pizzato Brut
Restaurante Seu Sebastião
Av Dr Francisco Loup, 1665
Maresias –SP
12 3865-5356
http://www.seusebastiao.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

Carlos Pizzorno comandará degustação na Grand Cru


Meninas e meninos,
A Grand Cru entrou no segundo semestre (parece que o Mariano e a turminha toda, Fabiano Nicolás, Patrícia e a Camila) com a corda toda, trazendo enólogos das bodegas e vinícolas de seu catálogo para conversas e degustações. O Pizzorno Primo é sensacional!
Vejam o que recebi da Camila:

Proprietário da vinícola uruguaia com mais de 100 anos de história, tradição e excelentes vinhos, vem ao Brasil no final deste mês
A Grand Cru da Bela Cintra receberá, no dia 22 de julho (quinta-feira), a visita do produtor Carlos Pizzorno, proprietário de uma das mais conceituadas vinícolas do Uruguai. Na ocasião, Pizzorno comandará uma degustação para os clientes da loja e os participantes do evento terão 15% na aquisição dos rótulos da bodega. O encontro acontece a partir das 20hs.
Confira a programação:
Welcome drink
Espumante Pizzorno
Degustação
Pizzorno Reserva Sauvignon Blanc 2009
Dom Próspero Pinot Noir 2007
Pizzorno Reserva Tannat 2006
Pizzorno Primo 2004

Sobre a vinícola: De tradição centenária, a bodega da família Pizzorno é comandada por Carlos Pizzorno, neto do fundador Don José Próspero Pizzorno, que, em 1910, deu inicio à trajetória da empresa. A família é fiel à tipicidade do terroir local em seus rótulos, mas não deixa d investir em novas tecnologias, aliando inovação e tradição na produção dos seus vinhos.
Os rótulos da Pizzorno estão disponíveis no portfólio da Grand Cru.
Degustação com Carlos Pizzorno
Grand Cru
Rua Bela Cintra, 1799 – Jardins
RSVP: Patrícia Aires – http://mail.uol.com.br/compose?to=patr
Informações: (11) 3062-6388
Investimento: R$ 80,00 por pessoa.
http://www.grandcru.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

terça-feira, 13 de julho de 2010

PROJETO IMAGEM NACIONAL de 2010


Meninas e meninos,
Como já postei anteriormente, estive em Bento Gonçalves a convite do IBRAVIN-Instituto Brasileiro do Vinho, Wines From Brazil e ABE-Associação Brasileira de Enologia, para fazer parte de um projeto que vai dar muito que falar (esta moçada do IBRAVIN veio para revolucionar) o primeiro PROJETO IMAGEM NACIONAL de 2010.
Este projeto tem por objetivo aproximar jornalistas e formadores de opinião às vinícolas localizadas na Serra Gaúcha, com o objetivo de aprofundar o conhecimento para fomentar o crescimento do setor vitivinícola e fortalecer a imagem turística e dos produtos agregados e durante a realização do 5º Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, promovido pela Associação Brasileira de Enologia -ABE, em parceria com o IBRAVIN, aconteceu seu primeiro projeto 2010.

Dentre os jornalistas convidados, alguns amigos como:
Mônica Mortara - Folha da Manhã – Jornal Agora São Paulo
Daniela dos Santos Barbosa - Internet Group do Brasil-Portal IG para os íntimos.
Fabiana Gonçalves Mignot Pereira da Costa –Blog Escrivinhos
Bruno Vianna - Revista Wine Style
E mais os novos amigos:
Luciana Gomes Barbosa - Caderno Brasília - Jornal Hoje em Dia;
Marta Ana Berard Toro - Agência EFE; a espanholinha mais italiana que já vi
Vanessa de Andrade Lins Cavalcanti - Folha de Pernambuco;
Viviane Taguchi - Três Editorial Ltda - Revista IstoÉ Dinheiro.Linda japinha que ninguém diz ser descendente.
José Luiz Prévidi-Site http://www.previdi.com.br/ –um impagável e bem humorado gaúcho
Irineu Guarnier Filho-Grupo RBS e Canal Rural

e claro Álvaro Cézar Galvão-eu mesmo, do DivinoGuia, da revista Gourmet & Food Service, e Jornal Vinho & Cia.
Destes o Irineu e eu fomos jurados no V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, pois o Bruno está careca (literalmente) de participar.
Ficamos hospedados no Hotel Spa do Vinho, primeiro centro brasileiro de tratamentos vinoterápicos, que utiliza a alta qualidade e o comprovado potencial rejuvenescedor das uvas do Vale dos Vinhedos, e como nada é perfeito, não pudemos por falta de tempo comprovar estes efeitos, mas pelo aspecto dos diretores Aldemir Dadalt, também presidente da APROVALE-Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos e sua esposa Deborah Villas-Bôas Dadalt, funciona mesmo!
Quanto ao hotel, a minha maior reclamação é que a cama é tão grande, mas tão grande que cabem quatro, e eu... sozinho, para pegar no sono. Tive que lançar mão do que a Daniela sugeriu: Ou contratar um mordomo para esquentar a cama, ou colocar as mãos no peito, deitar imóvel e me fazer de morto! Escolhi esta segunda opção, pois sou muito calorento. Nem contar garrafinhas de vinhos adiantou.
Culpa do Orestes Andrade Jr, assessor de imprensa dos bons, mas que nada entende de camas de hotel...Uma caminha de solteiro já estava bom, ou mesmo uma de casal, ou até uma queen size, ou mesmo uma king size, mas uma hiper mega blaster king size já é demais até mesmo para meu corpinho de bailarino espanhol.
Tenho tanta noticia que irei postando aos poucos, e eu nem bem falei ainda do maravilhoso Concurso onde o Irineu e eu fomos da bancada.
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

CONCURSO DO DIA DA PIZZA 2010.


Meninas e meninos,
O dia internacional da pizza já passou, foi dia 10/07, mas a oportunidade de festejá-lo em grande estilo ainda está por vir.
Como sempre incentivei a junção de gastronomia, seja ela qual seja, e os vinhos, quando se pensa em pizza, é claro que os vinhos devem estar presentes.
Pensando nisso, este ano, os amigos da Pizzeria e Wine Bar Prestíssimo, em seu tradicional concurso em homenagem às redondas, me convidou, e claro aceitei, para ser jurado de harmonização entre estes maravilhosos e sedutores pares: as pizzas de diversos sabores e os vinhos de diferentes paises e uvas.
Vejam como foi para quem quis ou pode participar, pois o concurso é aberto aos pizzaiolos “amadores”.

CONCURSO DO DIA DA PIZZA 2010 este ano será dia 17/07
PARA PARTICIPAR É NECESSARIO INSCREVER E ENVIAR UMA RECEITA DETALHADA DE COBERTURA DE PIZZA NO E-MAIL, prestissimo@prestissimo.com.br
COM NOME E TELEFONE PARA CONTATO, E SENDO ESSA ESCOLHIDA PARA O CONCURSO, OS INGREDIÊNTES DEVEM SER LEVADOS PELO PARTICIPANTE, E O SUFICIÊNTE PARA DUAS RECEITAS DE PIZZAS GRANDES.
NA NOITE DO CONCURSO, ESTAR PRESENTE E JUNTAMENTE COM A EQUIPE "PRESTISSIMO", MONTAR SUA REDONDA.
A BASE SERÁ OFERECIDA PELA PIZZERIA PRESTISSIMO, OU SEJA, MASSA, MOLHO, PIZZAIOLO E FORNEIRO, SENDO QUE A INSCRIÇÃO É GRATUÍTA.
SÓ PODEM INSCREVER UMA RECEITA POR PARTICIPANTE, QUE DEVE SER SER AMADOR. (PROFISSIONAIS DO SETOR, NÃO CONCORREM A PREMIAÇÃO). A PIZZA SERÁ SERVIDA AO JURI E O RES TANTE AOS CONVIDADOS E TORCEDORES DOS PARTICIPANTES.
OS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO SERÃO PARA 3 CATEGORIAS, PIZZAS TRADICIONAIS, PIZZAS DOCES E PIZZAS HARMONIZADAS COM VINHOS.
SERÁ PREMIADA UMA DE CADA E AS RECEITAS ENTRAM NO CARDÁPIO DA CASA, DESDE QUE SEJAM COMERCIALIZÁVEIS.
O JURI SERÁ COMPOSTO POR 5 PESSOAS SENDO 2 CHEF, 2 ENÓFILOS E 1 CLIENTE DA CASA.TODOS RECEBERÃO DIPLOMA DE PARTICIPAÇÃO, COM A CLASSIFICAÇÃO (COLOCAÇÃO) DE SUA RECEITA.
OS PARTICIPANTES RECEBERÃO AVENTAL, TOUCA, LUVAS E MASCARAS, SENDO QUE DURANTE TODO O EVENTO DEVERÃO ESTAR USANDO O AVENTAL.
ITENS A SEREM AVALIADOS:
APRESENTAÇÃO, PALADAR, HARMONIZAÇÃO E CRIATIVIDADE.
NO ITÉM HARMONIZAÇÃO, O PARTICIPANTE PODERÁ CONSULTAR UM DOS JURADOS PRESENTES (ENÓFILO), OU ENVIAR POR E-MAIL A RECEITA E PEDIR HARMONIZAÇÃO NO ATO DA INSCRIÇÃO.
O PARTICIPANTE PODERÁ LEVAR O VINHO JUNTAMENTE COM OS INGREDIÊNTES OU UTILIZAR OS QUE SERÃO SERVIDOS AO S PARTICIPANTES E JURADOS NA NOITE DO CONCURSO.

MODELO DA FICHA DE INSCRIÇÃO:

NOME:

ENDEREÇO:

TELEFONE:

RECEITA DETALHADA:

VINHO QUE HARMONIZA: (caso não saiba, responderemos com uma sugestão).

PIZZERIA E WINE BAR PRESTISSIMO.
Alameda Joaquim Eugênio de Lima, 1135-Jardim Paulista, São Paulo, SP.
Fones: 11-38854356 ou 11-38872371.
Nos vemos lá então
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Miolo Merlot Terroir é eleito o melhor Merlot do mundo


Meninas e meninos,
Recebo esta noticia com alegria, mas confesso que não com estranheza, pois de há muito aposto nos vinhos Brasileiros e escrevo sobre eles, haja vista os exemplares que ganharam medalhas no V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, onde participei como jurado, quase todos eles estão entre os mencionados em minhas colunas, nas várias mídias onde atuo.
Agora vejam mais um prêmio significativo para o vinho Brasileiro, desta feita, premiado em Londres como o melhor Merlot do mundo:
O Miolo Merlot Terroir 2005 foi escolhido, em Londres, em degustação às cegas, o melhor Merlot do mundo por um júri composto de 40 profissionais sommeliers e jornalistas, entre eles, 15 do seleto grupo dos 280 Master of Wine do mundo. Além do Miolo Merlot Terroir, outros 16 rótulos brasileiros competiram com vinhos de diversas regiões do mundo. Entre os dez melhores, oito são brasileiros. Com a conquista do primeiro lugar, o Merlot Terroir superou rótulos famosos, e conhecidos internacionalmente A degustação foi comandada pelo Brasileiro Dirceu Vianna Junior, único Master of Wine da América Latina. O Miolo Merlot Terroir 2005 já foi premiado em concursos como o Vinalies Internationales America Latina (Chile), Internacional Wine Challenge 2008 (Inglaterra), Decanter World Wine Awards 2009 (Inglaterra) e já foi eleito o melhor tinto do Brasil em degustação da Revista Gula. “Estamos vivendo o momento máximo em termos de reconhecimento”, destaca Adriano Miolo, diretor-técnico da empresa. “Todo o vitivinicultor que busca a qualidade e a máxima expressão de cada terroir sonha em ter o aval de profissionais deste gabarito”, diz.
O Merlot Terroir é elaborado apenas em safras excepcionais com uvas 100% Merlot, provenientes da região demarcada do Vale dos Vinhedos, e que em breve passará a D.O, já em finalização de estudo.
Miolo
http://www.miolo.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

Suco de uva branco agrada jornalistas na visita à Vinícola Perini


Meninas e meninos,
Ao receber as fotos que a eficiente e linda fotógrafa Daniela Villar(villar.daniela@hotmail.com), contratada pelo Ibravin para documentar o Projeto Imagem enviou, uma seqüência me chamou a atenção, pois estava preparando um post sobre o assunto.
Suco de Uva Branco Jota Pe( suco de uvas brancas) da Vinícola Perini, que eu já havia experimentado, e gostado muito, pois me parece ao paladar, mais “fresco” e menos doce que o tradicional, portanto mais fácil de beber e não é enjoativo quando se bebe mais de um copo.
Ambos não contêm conservantes e nem açúcar adicionado, então deve ser mesmo pela qualidade das uvas brancas americanas para este produto.
É preciso conhecê-lo melhor diz Benildo Perini, presidente da vinícola com sua voz de radialista: “É provar e se apaixonar”.
Eu, particularmente gostei muito mesmo, pelas razões já elencadas acima, e agradeço a acolhida generosa e ao delicioso jantar acompanhados de ótima conversa e vinhos idem, além é claro dos sucos tinto e branco.
Não deixe de provar também dentro o variado leque de opções, o Tannat 2002, mostrando toda exuberância em frutas, algo de chocolate (brownie), café solúvel e casca de laranja, com leve e fresco cítrico ao final de boca, mostrando a adaptação e ótimos resultados com esta varietal na Serra Gaúcha, este vinho, creio nisso, ainda deve evoluir em garrafa por mais uns dois anos e se mostrar pleno.
Vinícola Perini cresceu 20% em 2009, uma das cinco maiores vinícolas do Brasil em volume produzido, a Perini, de Farroupilha, cresceu 20% em 2009, puxada pelas vendas do suco de uva e dos espumantes. Com 2,3 milhões de litros comercializados no ano passado, o suco 100% natural de uva praticamente dobrou o seu volume colocado em 2008, quando teve 1,2 milhão de litros colocados. A meta para este ano é vender 50% a mais do que em 2009, chegando a 3,5 milhões de litros. Para tanto, a vinícola está investindo R$ 2 milhões na duplicação da sua planta de sucos. Nos espumantes, a Perini cresceu 35%. Para manter este ritmo acelerado de conquista do mercado, a Perini instalou dois frontlights de tamanho gigante (de 8 metros de largura por 16 metros de altura) em Caxias do Sul e na Estrada do Mar. Outros três serão colocados nos próximos dias, em Canoas, Gramado e Santa Catarina. “É o outdoor mais alto do Brasil”, garante o gerente comercial da vinícola, Franco Perini. “Os gigantes da Perini” , como estão sendo chamados, tiveram de ter uma estrutura própria construída. Eles podem ser vistos nos dois sentidos da estrada. O Moscatel, puxador de vendas da Perini com 40% de crescimento, foi o produto escolhido para brilhar nos fronts gigantes.
Vinícola Perini
http://www.vinicolaperini.com.br/
IBRAVIN
http://www.ibravin.org.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

domingo, 11 de julho de 2010

NATURAL HARVEST-ESTE LIVRO VAI DAR O QUE FALAR!


Meninas e meninos,
Este blog prima pelo bom humor sempre, pela informação correta e pela variedade de assuntos(é bem verdade que os vinhos, a gastronomia e a harmonização entre eles é uma constante), e até pela chamada que diz: Um novo olhar sobre tudo o que proporciona prazer”, não posso deixar de postar esta notícia que recebi de duas pessoas diferentes, mas citando uma única fonte o site Rainhas do Lar”.
Sem entrar no mérito, trata-se do seguinte: Um livro de receitas não convencional, e até mesmo de uso estranho para a maioria dos culinaristas e gastrônomos, que usa um ingrediente em todas elas que é o esperma.
Surpresos? Pois eu também, mas vejam o que o site diz, inclusive conclamando aos que se aventurarem em reproduzir alguma das receitas, a darem seu depoimento:

“Um livro com receitas que levam um ingrediente, como direi... não muito utilizado para fins culinários, se é que vocês me entendem...
Sim, meus caros, receitas à base de esperma - é, aquele mesmo.
Rico em nutrientes - proteínas, minerais, açúcares - o livro parte do princípio que o ingrediente tem propriedades ótimas para a saúde de seus consumidores.” Natural Harvest “é o nome do receituário. Ele ainda não foi lançado no Brasil, mas nos Estados Unidos faz sucesso. São doces, molhos e drinks, tudo à base do famoso ingrediente produzido pelo homem. Fotie Photenhauer acredita que o esperma se compara aos vinhos e aos queijos, tamanha sua versatilidade. Delícia”.

Eu nem pensaria em comparações com os vinhos, os queijos ou outras iguarias que já nos sejam conhecidas, mas como á degustei algumas partes muito estranhas para uma boa maioria de vários animais, e gostei, volto a dizer, não podia deixar passar esta!
A foto, pela aparência apetitosa, parece um pudim ou flam, nem parece que utiliza o esperma como ingrediente.
Como disse no inicio, “Um novo olhar sobre tudo o que lhe proporciona prazer” (no bom sentido sempre!)!
Esta internet ...
Receitas
ALMOST WHITE RUSSIAN
2 oz Vodka
1 oz Coffee liqueur
1/2 oz semen
cream or milk
ice cubes
Pour vodka, semen and coffee liqueur over ice cubes and top up the glass with milk or cream.

MAN MADE OYSTERS
Cleaned oyster shells
Chilled fresh semen, the more the better
Ice
Lemon and pepper garnish
First clean the oyster shells in cold water. Do not use soap since the shell easily absorbs the nasty taste of soap. Spoon the chilled, fresh semen into each shell. Serve simply on ice with just a squeeze of fresh lemon and maybe a grind of black pepper.

Chef's note: A true semen connoisseur might forego the lemon and pepper in favor of the non-adulterated semen flavor.”
Fonte: http://www.rainhasdolar.com/index.php?blogid=1&archive=2009-07
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

sábado, 10 de julho de 2010

V CONCURSO INTERNACIONAL DE VINHOS DO BRASIL


Meninas e meninos,
De volta do Vale dos Vinhedos, onde participei como jurado do V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil,promovido pela ABE-Associação Brasileira de Enologia, posso dizer, até pelos comentários que ouvi dos colegas e jurados de outros países representados, que podemos nos orgulhar da mostra e da organização da mesma, uma das melhores do mundo.
Fico muito feliz pela conquista de uma das 3 Grande Medalhas de Ouro, para o vinho Brasileiro, e mais feliz ainda porque ela veio para uma dupla de amigos de longa data, o enólogo Alejandro Cardozo e o engº agrônomo Irineo Dall’Agnol, em cujos trabalho e vinhos sempre acreditei: estou falando da Estrelas do Brasil.
Outras medalhas de relevância foram atribuídas a vinícolas Brasileiras, várias delas, onde eu fui um dos primeiros a falar da qualidade dos vinhos, como a Piagentini e seu espumante maravilhoso, o Décima, que conta também com o Alejandro, enólogo da Estrelas do Brasil, e que levou um dos Ouros, a Góes & Venturini com seu Tannat també levou ouro, e Antonio Dias com seu Cab Sauvignon prata.
Depois detalharei mais sobre o concurso, os ganhadores das medalhas, os amigos premiados, e tudo sobre o evento, não antes sem agradecer a simpatia com que fui recebido pelos organizadores do concurso, que acreditam ser meus trabalho e experiência, merecedores de tal honra, como participar de um júri de tal magnitude.
Obrigado a ABE e ao presidente do V CIVB enólogo Cristian Bernardi, aos diretores de júri enólogos Antonio Czarnobay; Cellito Guerra; Daniel Dalla Valle; Dirceu Scottá; Giuliano Pereira e Mauro Zanus.
Também aos amigos do IBRAVIN, Julio Fante, Carlos Paviani, Diego Bertolini, Andréa Milan, e ao jornalista Orestes de Andrade Jr.
Na mesa 1 onde fiquei, ao meu lado direito Antonio Muros Palacios -delegado da UIOE-Union Internacionale des Oenologues.
Do lado esquerdo Franciele Luza da AEB Bioquimica Latino América
Em frente Carlos Abarzúa enólogo da Cave Geisse
Ao lado do Carlos, Maria Alejandra Lozano-vice-presidente da da UIOE
Como presidente do juri da mesa 1 Dirceu Scottá.
Foto-Daniela Villar
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Roteiros pelos iPhones e iPods touch


Meninas e meninos,
Estou no Vale dos Vinhedos onde como jurado, degustei vinhos e os pontuei para o V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, e estou vendo o que a industria vitivinícola e o enoturismo estão trazendo para a região em termos de empregos e progresso.
Recebi da assessoria de imprensa da Cooperativa Vinícola Aurora, e repasso a vocês:

A Vinícola Aurora, maior e mais premiada vinícola do país é um dos destinos mencionados no aplicativo para iPhones e iPods touch “1001 lugares no Brasil para conhecer antes de morrer”, criado pelo Guia Quatro Rodas. O aplicativo traz sugestões que vão do roteiro enoturístico do Vale dos Vinhedos, passando pela Aurora, em Bento Gonçalves, aos passeios pelo Cristo Redentor e Pão de Açúcar, o mergulho em Bonito e a noite de Búzios.

É possível fazer a pesquisa por ordem alfabética, pelo Estado ou cidade, para escolher parques, restaurantes, bares, eventos, baladas, hotéis e outras localidades selecionados pelo Guia. O usuário ainda pode marcar os lugares que já visitou e manter uma lista atualizada e organizada dos locais que pretende conhecer.

O aplicativo é gratuito e pode ser baixado pela App Store
Cooperativa Vinícola Aurora
www.vinicolaaurora.com.br
0800 701 4555
Matriz Bento Gonçalves - RS: (54) 3455-2000
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Almoço com Hervé Birnie-Scott


Meninas e meninos,
A Moët Henessy do Brasil-Vinhos e Destilados que detém os excelentes vinhos Terrazas de los Andes, em nome de seu enólogo Hervé Birnie-Scott, de meu amigo Sergio Desege-General Director, da eficiente e linda Paola Mastrocolla, fez realizar um almoço harmonizado onde o Hervé discorreu sobre os vinhos da Terrazas.
O restaurante não poderia ser melhor, o Dalva e Dito, com um cardápio dos mais elegantes e inventivos como é de praxe do premiado Chef Alex Atala.
Degustamos com a entrada de Brandade de Bacalhau, servida com feijão preto e couve manteiga, os Terrazas Reserva Torrontés 2009, de Salta a 1800 m, e o Terrazas Reserva Chardonnay 2008, de Tupungato a 1200 m.
Esta harmonização ficou muito boa principalmente com o Torrontés.
Para a Codorna Recheada com banana seca de Itariri e castanha de caju com feijão manteiguinha do Pará, o Terrazas Reserva Malbec 2008 de Vistalba a 1067 m., que para mim, em vista dos outros vinhos até mais tops como os da linha Afincado, nada ficou devendo, vinho pronto, aromas de queijos azuis, frutas, muito complexo, pois não parou de abrir outros aromas como os de charcutaria, especiarias, com ótima acidez e corpo, demonstrando-se muito equilibrado, longo em boca e no retro-olfato.
Para o Bife Ancho com batata monalisa e batata doce assada o Terrazas Afincado Malbec 2006 de La Compuertas a 1000 m.
Para a sobremesa, um Romeu e Julieta, o delicioso e para mim, um dos melhores Late Harvest, o Terrazas Afincado Tardio 2006, de Finca El Yaima, a 1000 m, da uva Petit Manseng, que já foi motivo de uma matéria no blog. Quem ainda não provou, tem que provar estes dois vinhos, o Terrazas Reserva Malbec e o Afincado Tardio
Terrazas de los Andes
www.terrazasdelosandes.com
Até o próximo brinde!

Álvaro Cezar Galvão

terça-feira, 6 de julho de 2010

Vinhos da Batasiolo passam a ser importados pela Max Brands Importadora


Meninas e meninos,
Aqui em Bento Gonçalves, onde serei jurado no V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, hospedado no belo Spa do Vinho, degustando um ótimo Don Laurindo Estilo 2008, um corte de Malbec, Tannat e Ancelotta, me lembro dos belos vinhos da Batasiolo, que tive oportunidade de degustar em um jantar, em ótima companhia das lindas Tânia Muller, Fernanda Fonseca e Solange Guarino, estas duas responsáveis pela assessoria da Max Brands a importadora responsável por importar os vinhos da Batasiolo para o Brasil, uma tradicionalíssima casa produtora do Piemonte, e que contou com a presença do produtor Fiorenzo Dogliani em jantar no La Vecchia Cusina.
Os vinhos já são nossos conhecidos, mas a competência, o charme e alegância das meninas da assessoria, o ambiente, os amigos presentes, juntamente com o casal Mirella e Alexandre Fadel da Max Brands, fez com que os vinhos se mostrassem com potencial para motivar-nos cada vez mais à apreciação.
Degustamos o Espumante Batasiolo Método Clássico 2005, que se mostrou com incrível frutado, o Barbera D’Alba DOC Sovrana 2007, o Barbaresco DOCG 2006 e os Barolos Vigneto Cerequio 2004 e o ótimo Corda Della Briccolina 2004.
Mas, degustei um Chardonnay, que até então não conhecia, uma bela novidade para mim, o Batasiolo Langhe DOC Chardonnay 2007, que apresenta um mineral no olfato, e herbáceo na boca, muito equilibrado em álcool e acidez, um vinho que merece ser conhecido de todos.
Max Brands
http://www.mxbrands.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Château de Haute Serre 2005 é da Mistral


Meninas e meninos,
Quando se tem a oportunidade de provar a diferença existente entre o vinho de Malbec vinificado com esta casta na França, e os que estamos mais acostumados, ou seja, os Argentinos, é que podemos ter a certeza que o terroir influencia e muito.

No Encontro Mistral 2010, lá estava o Château De Haute Serre, um verdadeiro Malbec Francês.
Da região de Cahors, berço da Malbec, este vinho é um corte de 75% Malbec, 20% Merlot e 5% Tannat e com passagem em barricas de carvalho novas, que se apresenta mais mineral e menos alcoólico que os hermanos, tem 12,5%, o que já faz muita diferença em boca e no olfato.
Boa acidez, macio, e claro, diferente do que estamos acostumados, mas ao segundo gole já se mostra delicioso.
Mistral
http://www.mistral.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

domingo, 4 de julho de 2010

V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil


Meninas e meninos,
Recebi o honroso convite da ABE-Associação Brasileira de Enologia, para participar do V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, como jurado, e claro, aceitei de pronto.
Estarei em Bento Gonçalves no período de 05/07 a 09/07, visitando os amigos de várias vinícolas, e dia 07 participando como jurado, e desde já, peço que me perdoem se não puder postar sobre as novidades e degustações em meu blog, pois a agenda é corrida.
Se me permitem, abaixo segue o convite:

Ilmo. Sr.
Álvaro Cézar Galvão
São Paulo - SP

Prezado Senhor:
A Associação Brasileira de Enologia realizará de 05 a 08 de julho de 2010, em Bento Gonçalves - RS, o V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, com a missão de promover os vinhos do mundo inteiro.
Cientes da transparência e credibilidade de que o evento necessita, decidimos formar um júri composto de pessoas competentes, que conhecem e apreciam o vinho em seus diferentes aspectos.
Sendo assim, gostaríamos de convidá-lo a fazer parte do júri do V Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, na sessão do dia 07 de julho. Seu conhecimento e sua paixão pelo vinho assegurarão o sucesso de nosso concurso.
As sessões de degustação terão início a partir das 09 horas dependências do Hotel & Spa do Vinho Caudalie, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves - RS. O jantar de premiação será no dia 08, às 20 horas, no próprio Hotel.
Na certeza de receber uma resposta positiva ao nosso convite, aproveitamos a oportunidade para renovar nossos protestos de consideração e apreço.
Atenciosamente,

Christian Bernardi
Presidente do V CIVB
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

sábado, 3 de julho de 2010

PORTO MESSIAS ROSÉ


Meninas e meninos,
Voltando à Grande Degustação de Vinhos Portugueses, promovida pela ViniPortugal, e aos vinhos de sobremesa, provei um vinho do Porto Rose, que há alguns anos seria impensável de termos, pois jamais seria reconhecido com tal, mas que de alguns poucos anos para cá, varias casas produtoras vêm nesse tipo de vinho, algo para explorar tendo o público jovem e interessado em vinhos como principal alvo, mas não só eles.
De uma casa mais que tradicional, a Soc Agrícola Com. Vinhos Messias, da região do Douro e com as castas Touriga Nacional; Touriga Franca; Tinta Roriz; Tinta Barroca, este vinh, O Porto Messias Rosé, com 19,5% de álcool e 92g/l de açúcar residual é um ótimo exemplo do que estou falando.
O Porto Rose é para ser servido mais refrescado, por volta dos 7ºa 10º, o que para nosso clima é muito favorável. Bom para acompanhar petiscos e queijos mais salgados, fica muito bom com sobremesas não tão pesadas e rebuscadas.
Quando provei há alguns anos o primeiro Porto Rose, logo vi potencial para nosso país neste tipo de vinho, que alguns até hoje não conseguem aceitar devido mais ao tradicionalismo do que por outro motivo, mas sempre digo que devemos ter a mente e o paladar abertos para novas experiências, e tendo qualidade, por que não?
Quem importa o Messias Rosé é a Casa Flora.
http://www.casaflora.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Matetic Vineyards-Orgânicos e princípios Biodinâmicos


Meninas e meninos,
Em recente degustação na importadora Grand Cru, que a eficiente e linda assessora Camila Perossi ajudou na organização, e onde foram apresentados alguns dos vinhos da linha de rótulos da Matetic Vineyards, tivemos a felicidade de conhecer um pouco da história desta vinícola, que conta inclusive com acomodações hoteleiras para receber os enoturistas.
Degustação comentada pela enóloga, a jovem Paula Cárdenas, e com as presenças de Jorge Matetic Hartard, membro da família e vice-presidente da vinícola, e Arturo Larrain, diretor comercial, ficamos conhecendo um pouco mais sobre os vinhos degustados, já conhecidos da maioria presente, e que a produção é totalmente orgânica com princípios biodinâmicos.
Degustamos 5 vinhos, sendo dois da linha Corralillo (que é o nome de uma finca antiga com uvas Pais), o Corte 2007, que leva na composição 44% de Cab Franc; 30% de Merlot e 26% de Malbec, com 14,5% de álcool, boa acidez, com estágio em barris por 12 meses, sendo 40% destes, novos, e que me agradou muito, mesmo sendo a Coralillo uma linha mais básica, não é vinho de segunda.
Disse a Paula que a tendência é eliminar o Merlot, e introduzir a Syrah no corte com o tempo, pois a Merlot não matém uma boa produtividade no Valle de San Antonio.
Também da linha Coralillo, degustamos o Syrah 2008, com muita fruta e algo de chocolate.
Da linha EQ que traduz“Equilibrio”, degustamos o Pinot Noir 2008, o Syrah 2007 e o Sauv Blanc 2009, merecendo este uma observação mais detalhada.
Cor bem clarinha, muito brilhante, com olfato floral lembrando a rosas, frutados cítricos, também figo e algo mineral ao fundo, tem em boca um ótimo frescor e equilíbrio.
Tem 13,5% de álcool, bem integrado com sua acidez marcada.Após algum tempo, aparecem no olfato maracujá, e em boca goiaba branca e lima, um vinho bem complexo e interessante, principalmente para nosso clima, aliás, hoje, jogo do Brasil na Copa 2010, após nossa vitória, que tal um Matetic Sauvignon Blanc acompanhado de um queijo de cabra, ou então com sashimi e sushi?
Grand Cru
http://www.grandcru.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Alambre 20 Anos Moscatel de Setúbal D.O.C.

Meninas e meninos,
Na Grande Degustação de Vinhos Portugueses, os vinhos de sobremesa, os fortificados, sempre me aguçaram os sentidos.
E um dos vinhos que me agradou muito é o Alambre 20 anos Moscatel de Setúbal D.O.C de um produtor nosso velho conhecido, o José Maria da Fonseca, o mais antigo produtor de Moscatel de Portugal, e sim, antes que surjam dúvidas, aquele mesmo, que já foi motivo de uma matéria minha em Abril, sobre um outro de seus vinhos, que não o mais famoso dentre nós, o Periquita.
Quem me mostrou este belo vinho foi a linda Sofia Parada, que é da Inovini, a importadora que trás os vinhos da JMF.
O Alambre é composto com no mínimo 70% de uvas da casta Moscatel, e um assemblage das castas Arinto, Malvasia e Boais.
Resultado de um blend 20 de safras em que a mais nova tem 20 anos e a mais antiga cerca de 80 anos, este vinho é produzido a partir de vinhedos plantados na Península de Setúbal sobre solo argilo-calcário. Após a chegada das uvas na adega o grau alcoólico potencial é analisado de maneira que a adição de aguardente vínica seja efetuada no momento ideal, para que a fermentação pare e a quantidade de açúcar residual seja aproximadamente de 90g/l, com um teor de álcool em torno de 18%. Seguindo a tradição da casa, após a fortificação com aguardente vínica, o vinho permanece em contato com as cascas (que estavam presentes durante a breve fermentação alcoólica) durante 5 meses mais. Por fim, o vinho amadurece em tonéis de carvalho durante 20-40 anos.
No olfato, os figos e frutas secas se sobressaem, sendo confirmados em boca estas frutas e com um corpo poderoso, e ao mesmo tempo macio e aveludado.
Acidez presente, que não o deixa cair em monotonia, apesar da quantidade de açúcar residual, e com bom teor alcoólico(17,5%) para estes tipos de vinhos.
Para harmonizações, um bom queijo curado, até mesmo o famoso queijo Serra da Estrela não ficará mal, tortas e bolos de amêndoas e de outras frutas secas, doçaria portuguesa com base em ovos, e talvez um chocolate com bom teor de cacau.
Há os que admiram o Alambre para depois do café e um bom charuto.
Experimentar para ver.
Quem importa é a Inovini
11 3623 2288

http://www.inovini.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão