segunda-feira, 25 de agosto de 2008

ENOTECA SAINT VINSAINT APRESENTA O VINHO DAL PIZZOL TANNAT 2005

A enoteca Saint VinSanint, dos meus amigos Lis Cereja e Fábio proporcionou a vinda do também meu amigo Dirceu Scottá, enólogo da Dal Pizzol Vinhos Finos, que em noite de jantar harmonizado, com culinária do chef Danilo Rolim, fez explanação sobre os vinhos e mais do que isso, sobre história e os conceitos que regem a linha de rótulos da empresa.
Eu, como entusiasmado com os vinhos da Dal Pizzol, já fiz algumas experiências já publicadas anteriormente sobre o Espumante Rose, sobre o Gamay Beaujolais, sobre o Bag in Box Merlot-Cabernet(ideal para se ter em casa e tomarmos em taças).
Agora, demorei um pouco mais para noticiar sobre o jantar que participei, junto a um grupo de amigos na Saint VinSaint, porque queria repetir uma vez mais uma experiência, que é motivo de perguntas em todos os lugares por onde passo fazendo palestras: POR QUANTO TEMPO DEPOIS DE ABERTO O VINHO PODE SER TOMADO SEM ESTAR PREJUDICADO?
Tenho respondido que depende da uva e do vinho, e também da proposta do enólogo para este vinho, já que esta é a que conta.
Neste caso, vou falar do Dal Pizzol Tannat 2005, recém lançado pela vinícola.
Como é um vinho com uma acidez marcante, o que ajudou, já que assim sua conservação é mais facilitada, ousei deixar o vinho depois de aberto, tapado com sua própria rolha e íntegra, na porta da geladeira(que não seja aberta um cem número de vezes ao dia) por cinco dias. A garrafa estava com mais de meio conteúdo, e não foi aberta à não ser ao fim da experiência.
Para meu espanto, pois a Tannat neste vinho está super equilibrada, lembrando que a orientação da vinícola é não utilizar madeira em seus vinhos, este se apresentou bastante íntegro ainda, somente um tanto sem aromas ao nariz, porém ainda com frutas e especiarias na boca.
Fato isolado ou foi mais uma constatação?

Exorto à vocês tentarem, ousarem em experiências que tais, pois sempre será um aprendizado para nosso enriquecimento vínico.
Com outros vinhos teremos o mesmo resultado?
Brancos também se comportariam assim?
Tivemos dias mais frios do que quentes neste período?
Tudo isto conta e ajuda ou prejudica a experiência, mas continuo dizendo que deve ser tentada.
Concluindo, creio que se tivermos as mesmas condições, de modo geral, tres dias após aberto, o vinho conserva-se muito bem para ser degustado.
O jantar a que me referi, teve como entrada: Sopa de grã de bico com Collis de Espinafre.
Paella Valenciana como prato principal, e Bolo de Cacau com calda de Laranja para sobremesa.
Os vinhos da Dal Pizzol e outros brasileiros e importados, podem ser comprados e/ou consumidos na Saint VinSaint ao mesmo preço do empório, possui espaço gourmet com jantares harmonizados, cursos e eventos, e às sextas-feiras a noite do jazz e vinho.
Rua Professor Atílio Innocenti, 811 V.N.Conceição: 11 3846-0384
http://www.saintvinsaint.com.br/
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

2 comentários:

Fabiola Fernandes disse...

Caro Alvaro, adorei muito o seu blog e vendo o progeto das estilistas da loja Thorre, acabei te encontrando... Na verdade nos conhecemos em um jantar no restaurante do Sergio Arno o ano passado. Nao sei se vc se lembra mas somos aquee casal da Sicilia, meu marido trabalha com produtos enogastronomicos e a sua agencia promove o territorio siciliano em todo o mundo. Estaremos no brasil em janeiro e estamos com um belissimo progeto com o proprietario do restaurante Praca Sao Lourenco em Moema, onde estamos organizando uma semana de festival Siciliano. Tambem com a universidade Anhembi Morumbi, organizaremos escola de cozinha, com um Chef Siciliamo quelevaremos nos e gostariamos da tua colaboracao caso vc seja disopnivel.
Te mandamos um abraco
Fabiola e Mirko

Álvaro Cézar Galvão disse...

Fabíola, lembro-me muito bem de vocês.
Aguardo o seu contato para marcamos algo.
Obrigado pelos comentários, é por vocês e para compartilhar as minhas experiências que o blog existe.
Beijos de luz
Álvaro Cézar Galvão