terça-feira, 4 de setembro de 2012

Bouchard Père & Fils conta com 280 anos de história na Borgonha.




Meninas e meninos,
Uma das degustações mais emblemáticas promovidas pela Grand Cru, não só pelos vinhos, mas pela presença de Luc Bouchard, descendente de uma família que está na historia da Borgonha desde 1731, mostrou brancos e tintos de sues terroirs.
Fora a competência, graça e beleza das meninas presentes, com a linda Camila, e a Louise, a bela francesinha que fala português como se aqui nascida fosse, também presente, o competente Fabiano.
A casa Bouchrad Père & Fils, criada em Volnay em 1731, trabalha para constituir com paciência, dedicação e tecnologia, desde muitas gerações, um dos mais belos domínios da Borgonha, aliás, desde 1820, instalada no Castelo de Beaune-Château de Beaune.
Hoje com 130 ha no centro d Cote d’Or, sendo 12 ha classificados como Grand Cru e 74 como Premier Cru, traduz exemplo único na Borgonha, por sua diversidade de terroirs e de denominações de grande prestígio.
Para se ter uma idéia, denominações como Montrachet, Chevalier-Montrachet, Corton, Corton-Charlemagne, Clos Vougeot, Chambertin, Beaune Grèves Vigne de l’Enfant.Jésus, Volnay Caillerets, Mersault Premières, dão o tom de seus vinhos.
Dentre brancos e tintos, o delicioso Bouchard Père & Fils-Macon Village 2010, onde 60% do vinho estagia poucos meses em barricas, deixando suave baunilha, aromas florais e frutados cítricos, muito fresco e adequado para gastronomias leves.
O espetacular Bouchard Père & Fils-Chablis Domaine William Fevre 2010, mineral, aromas citricos, floral delicado, verdadeiro presente na degustação. Meu preferido dentre os brancos
Bouchard Père & Fils-Pouilly-Fuiseé 2009, vinho com cor mais dourada, passa por barricas cerca de 8 meses, corpo mais estruturado, aromas florais e cítricos.
Dentre os tintos, alguns ainda muito jovens para serem aproveitados em todo o seu esplendor, o Bouchard Père & Fils-Bourgogne Rouge La Vignée 2010, com passagem de poucos meses em barricas, leve, delicado, fresco, aromas frutados e florais que persistem em boca, acidez boa, vinho que convida mais uma taça.
Bouchard Père & Fils-Côte de Beaune Village 2009, corpo médio acidez equilibrada com taninos ainda presentes, frutado, passa por barricas cerca de 12 a 18 meses, dependendo da safra.
Bouchard Père & Fils-Gevrey Chambertin Village 2009, vinho que já trás pimenta, frutas mais maduras, algo de tostados e couro.
Bouchard Père & Fils-Pommard Village 2009, vinho que me agradou muito, com menos madeira, pois só 30% do vinho passa por barricas durante cerca de um ano, com muita fruta no olfato e confirmada em boca, algo floral, sutil mineral, especiarias como cravo e noz moscada no olfato, em boca boa acidez, taninos presentes e gostosos, meu vinho preferido dentre os tintos.
Alguns dos vinhos estão com estas safras esgotadas, mas a Grand Cru já está providenciando novas safras, e espero ser chamado para degustá-las, pois afinal, cada safra origina vinhos diferentes.
Grand Cru
www.grandcru.com.br
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

2 comentários:

Carlos Eduardo disse...

Caro ex-colega, leio o seu post com a boca salivando me recordando da visita que fiz à sede da Bouchard no ano passado, a ótima degustação que se seguiu à visita (o pessoal desta casa é mesmo muito afetuoso) e me lembrando que tenho a felicidade de ter trazido do domaine várias garrafas, entre elas um Pommard, um Gevrey-Chambertin e um Pouilly-Fuissée, as quais repousam tranquilamente na minha adega aguardando seu momento...
Belo post, saúde!

Álvaro Cézar Galvão disse...

Cadu, legal que apareça por aqui.
O Pommard me encantou
Abraços de luz