segunda-feira, 21 de junho de 2010

Pato no Tucupi também é harmônico com vinho Brasileiro.


Meninas e meninos,
Nestas degustações que fazemos com gastronomia regional Brasileira e vinhos, experiência magistral, diga-se de passagem, eu tenho aprendido muito.
Nosso prato como da outra vez, foi perpetrado pela amiga Mara Salles, do Restaurante Tordesilhas e agora fomos de Pato no Tucupi.
Prato da cozinha regional do norte do país, preparado especialmente em ocasiões festivas como o Círio de Nazaré, por exemplo, que ocorre em Outubro em Belém do Pará.
O pato é marinado em meio ácido, segundo a Mara, assado e depois mergulhado no molho de tucupi, que vem a ser um caldo amarelado feito da mandioca brava, que é descascada, ralada e espremida tradicionalmente usando-se um tipiti, que vem a ser uma comprida e fina cesta trançada à mão, com duas argolas na ponta, e que após cheio da massa da mandioca, é espremido usando-se dois pedaços de madeira nas argolas, um girando para a direta e outro para a esquerda, extraindo o caldo e deixando a massa seca em seu interior.Depois de extraído, o molho "descansa" para que o amido se separe do líquido. Inicialmente venenoso devido à presença do ácido cianídrico, o líquido é cozido, e com este processo, elimina o veneno, por horas, podendo, então, ser usado como molho na culinária.
Levado ao tucupi, o pato junto com o jambú, erva que provoca dormência nas papilas gustativas, é servido com farinha d’água e pimenta de cheiro.
Fácil de harmonizar não acham?
Para começar, ainda tivemos a entrada de Tacacá, um caldo com tucupi, a goma da mandioca tapiocada, jambú e camarão seco.
Esta entrada ficou ótima com um Sauvignon Blanc Framingham 2008 da Nova Zelândia.
Os vinhos foram:
1-Marson GR Cab.Sauvig 2002-Brasil
2-Dom Laurindo Tannat-Brasil
3-Baron de Lantier Cab Sauvignon 1991-Brasil
4-Dal Pizzol 35 anos assemblage-Brasil
5-Avondale Pinotage 2008-A.do Sul
6-Le Cepages 2007 Cab Sauv/Merlot-Roca Maura- Sul da França
7-Cordilheira de Santana Gewurztraminer 2008-Brasil
8-Jeam Luc-Rose de Syrah 2006-França
9-Chateneuf du Pape 2006 –Xavier-França
10-Daremberg Rielsing 2008-Austrália
11-Avondale Chenin Blanc 2009-.A do Sul.
Para minha alegria, o grande vencedor, mostrando que minha predileção pelos bons vinhos Brasileiros tem razão de ser, foi o mais decano deles, o Baron de Lantier Cab Sauvig 1991, que, diga-se de passagem, é pela segunda vez muito bem posicionado em degustações onde participo. Foi seguido bem de perto pelo também Brasileiro Marson GR Cab Sauvig 2002 e o Chenin Blanc em segundo lugar e em terceiro outro Brasileiro, o Tannat da Dom Laurindo.
Pelas minhas notas arredondadas pelo critério adotado, além do Baron de Lantier também o branco Riesling Australiano foram os mais pontuados por mim.
Um pouco da história deste vinho, segundo seu criador, o enólogo Adolfo Lona, em e-mail enviado ao amigo Agilson Gavioli.
“Te envio alguns dados, chamando a atenção a que o resultado foi conseqüência de três fatores:
1. Comportamento excepcional do clima em comparação ao normal de todos os anos como se observa no quadro abaixo. Algo mais de 100 mm de chuva nos meses pré-colheita foi maravilhoso.
2. Dispor dos mais avançados e adequados recursos tecnológicos como uma desengaçadeira importada especialmente que retirava o engaço sem machucá-lo e deixava os grãos inteiros, maceradores em aço especiais construídos especialmente para retirar os componentes da cor provocando o menor atrito possível entre as cascas, barricas de carvalho francês novas com duelas serradas (foram as primeiras existentes no Brasil).
3. Conceito de elaboração que determinava que os tempos seriam dados pelo vinho e não pela equipe técnica. Por isso ficou doze meses nas barricas e envelheceu dezoito meses na garrafa. Somente após estes tempos consideramos que estaria “pronto para o consumo”.
A colheita foi de 17 de fevereiro a 22 de março de 91 e o álcool potencial das uvas era quase 12%, fato inédito.
Da safra 91 a De Lantier elaborou 321.000 entre Cabernet Sauvignon e Merlot dos quais se reservaram somente 100.000 litros.
O Corte final estava composto de 85,5% de Cabernet Sauvignon e 14,5% de Merlot.
As etapas do ciclo de produção foram:
Colheita e elaboração: de fevereiro a junho de 1991 (maceração de oito dias, fermentação, maloláctica)
Pre-maturação em tanques: julho a dezembro 1991.
Maturação em barricas de 225 litros: janeiro de 1992 a janeiro de 1993.
Descanso pós barrica: fevereiro a maio 1993
Engarrafamento: de 17 a 19 de maio de 1993.
Lançamento antecipado para confrades para possibilitar acompanhar a evolução: julho 1994
Lançamento oficial: outubro de 1994.
O CS 91 foi o primeiro vinho exportado para o Canadá onde a escolha dos vinhos autorizados a serem comercializados no país resulta da premiação no Concurso Internacional.
Comprovar que este vinho brasileiro elaborado com uvas colhidas há quase vinte anos e engarrafado há exatamente 17 anos, permanece “inteiro” é algo que ainda me surpreende”.
Grande abraço
Adolfo Lona

Presentes na degustação:
Cris Couto
Breno Raigorodsky:brenoraigo@gmail.com
Beto Duarte
Maurice Bibas
Jeriel da Costa
Walter Tommasi
Agilson Gavioli-agilson@clipgraph.com.br
Ivo Ribeiro do RestTordesilhas
Agradecimento especial: Adolfo Lona
Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão

4 comentários:

Anônimo disse...

Olá Álvaro,

Fiquei surpresa e feliz ao ver que o vinho com que me iniciei no mundo de Baco ainda funciona. Uma curiosidade: aonde e como foi armazenado? Sempre ouvi dizer que os vinhos brasileiros não tem longevidade...

Abraço e parabéns pelo blog,
Ana

Álvaro Cézar Galvão disse...

Ana, se puder entrar em contato comigo pelo meu e-mail, posso esclarecer melhor, mas este exemplar e outros que provamos em grupos de degustação, geralmente estão com enófilos que os guardaram em adegas climatizadas.
Não se deixe imfuenciar pelos apelos estrangeiros:gostou do vinho? guarde algumas garrafas e vá de tempos em tempos fazendo a prova.
Claro que não é com todo e qualquer vinho certo?
Obrigado
Beijos de luz

Cris Couto disse...

álvaro,
o post está ótimo, principalmente com os detalhes do vinho campeão!
um beijo
cris couto

Álvaro Cézar Galvão disse...

Cris, fico radiante quando jornalistas de seu quilate gostam de minhas matérias e artigos.
Obrigado
Beijos de luz
Álvaro Cézar Galvão